Cachorrinhos também votam?

EleiçõesTornou-se, enfim – declarada e abertamente – um jogo de “finge/finge”. Eles fingem que são candidatos, que têm algo, a fazer  e nós fingimos que acreditamos. Jogamos um jogo irresponsável e desmoralizante. Quase fui tentado a dizer que se trata de um atentado à democracia, mas eu seria um estúpido se o fizesse, pois, de democracia, temos apenas uma impostura mal sustentada.

Acontecem coisas cada vez mais amargas, que poderiam ser divertidas, mas que revelam a tragédia de um sistema e do caráter de homens. Há poucos dias, recebi um e-mail do comando da campanha do Thame que começava assim: “Estimado amigo.” Respondi de imediato: “Primeiro, não sou e nem quero ser amigo do Thame, pois passei a conhecê-lo depois que se revelou o que há por trás da sua imagem mumificada de homem bonzinho.”

De qualquer maneira, continuei lendo o pedido de apoio, de querer meu voto. E começo a admitir que o Papa Francisco já está fazendo milagres extraordinários. E Thame é um dos beneficiários. Pois vejam bem: Thame se dizia evangélico, tenho fotos dele na Assembléia de Deus, empunhando Biblia, saudado pelos fiéis. O pastor da Assembléia falou que fez um “negócio” com Thame, “dando” aos tucanos 50 mil votos. A declaração foi feita e publicada pelo Jornal de Piracicaba. Nenhum Promotor de Justiça se interessou para saber do “negócio” político-eleitoral. Depois, Thame foi flagrado em conversa com que se deslumbrava com dinheiro obtido por empresários: “Maravilha, maravilha” – gritou com voz delicada. Mas conseguiu,em apenas 24 h., um laudo da Unicamp dizendo ser gravação falsa. Com isso, censurou jornais, proibiu publicação, e até impediu a circulação do antigo jornal “O Democrata”. Eis ele, aí, o grande democrata.

Mas milagres acontecem, conversões são milagrosas. E eis que Thame se afasta dos evangélicos – ou evangélicos se afastam dele – e adere à Igreja Católica, na qual, na infância – bonitinho, bonitinho – fez a Primeira Comunhão. E lá vai o Thame abrir o curso de Teologia dos frades franciscanos, convidado especial. E passa a ter programa no Canção Nova. E se torna, até mesmo, conselheiro de funerárias sabe-se Deus lá para que…

Para culminar o milagre, Thame, naquele e-mail, pede meu apoio para a sua luta contra a corrupção, pois ele, agora, preside um grupo internacional de deputados que combatem a corrupção! Ulalá! Viva o Papa Francisco. A conversão de Thame é admirável e, nesse aspecto, cumprimentei-o.: “Ele está como o vinho. Quanto mais velho, melhor. Na dissimulação, na cara de pau, no cinismo.Como deputado e político, Thame se revelou um grande empresário imobiliário.

Seria, pois, divertido, não fosse maléfico, doentio, uma forma de câncer moral que corrói as entranhas das instituições – essa palhaçada irresponsável da campanha eleitoral. É uma gente – multidão de candidatos, aliás – que não tem sendo. Que, por irresponsabilidade, corroem estruturas que pretendiam ser pétreas. Uma palhaçada lastimável na qual até cachorrinhos parecem votar. Pois é o que se deduz dos painéis de um candidato exibindo-se, feliz e alegremente, com um bando de cachorrinhos atraentes. Ele se diz candidato para defender animais. Quais? A Lei de Proteção aos Animais é, hoje, mais poderosa do que a Lei dos Direitos Humanos. Claro que a natureza, o ambiente, os animais têm que ser protegidos e preservados. Mas a prioridade é o ser humano.

Recentemente, numa campanha de leite a crianças necessitadas, conhecemos uma senhora que cuida, sozinha – e num único bairro – de 1.700 crianças carentes. Não são bonitinhas como os cachorrinhos do candidato, mas são mais importantes.É, pois, uma festa, uma farra, uma pantomima, um escárnio. Algo, no entanto, me diz que estas serão as últimas eleições dentro de um sistema sórdido e pérfido. Os novos tempos estão surgindo com mais severidade do que se supõe. Acenderam-se os pavios dos barris de pólvora do mundo. E esse farisaísmo está com os dias contados. Quem viver verá. Bom dia.

3 comentários

  1. Beth Elias em 13/09/2014 às 00:28

    O animal é ser racional. Não vota pela sua inteligencia.

  2. Robinson Santiago em 14/09/2014 às 15:28

    Some-se a isso tudo o uso de propaganda em imóveis em estado de abandono ou velhos em geral.

  3. Ana em 16/09/2014 às 10:21

    Sensacional!!!!!!!

Deixe um comentário