Clamando por decência a surdos

Se tentar uma breve síntese de tudo o que Bento XVI tem pronunciado no Brasil, talvez bastasse dizer que Sua Santidade fez o elogio da decência. E, com isso, o reerguimento moral do homem moderno, perplexo diante de tantos atalhos e aturdido pelo atropelamento de valores ancestrais. Quando fomos surpreendidos com aquela publicidade, de décadas passadas, em que o jogador Gérson falou em ser preciso “levar vantagem em tudo” – não nos demos conta, na verdade, de que a agência da marca de cigarro apenas se aproveitara de uma mentalidade que já existia, a da esperteza inconsequente.

Políticos e empresários – exatamente esses a quem o Papa convoca para a retomada da honestidade – foram os primeiros a adotar a que se tornou conhecida como “Lei de Gérson”, infelizmente para ele, o menos culpado na grande atrapalhada. Mas o vírus da ganância, do poder pelo poder, do “tirar vantagem em tudo” acabou se transformando em epidemia e, então e como sempre, o feitiço se virou contra o feiticeiro. Pois o povo, vendo suas lideranças corromperem-se, experimentou o sabor da corrupção. E, por falta de alternativa, gostou. Mas perdeu a paz, a organização da vida, o sentido comunitário e, em especial, o de família. O lucro, como centro de tudo e objetivo primeiro, alterou as relações individuais e sociais, produzindo a estrutura darwiniana de convivência, o “struggle for life”, a destruição dos mais frágeis pelos nem mesmo mais fortes, mas pelos mais espertos.

A “corrupção do ótimo é péssima”, já ensinavam os romanos. E, em nossos tempos, mais do que péssimas, tornou-se trágica. Quando as lideranças não têm dignidade e menosprezam a decência, o exemplo corrosivo atinge o todo, impossibilitando a existência de qualquer sociedade digna, com expectativa de futuro. Ao apelar para a honestidade de políticos e de empresários, Bento XVI, com sua autoridade moral, assume-se como “voz dos que não têm voz”, convocando, também, homens e mulheres conscientes a essa nova cruzada que se impõe, que se exige a partir das vísceras do povo: um basta à corrupção, um basta à esperteza, um basta aos conluios indecentes entre políticos e empreiteiros e, enfim, um basta ao cinismo que, até aqui, tem sido suportado, o do “rouba mas faz”.

Nos governos, especialmente os municipais, não basta mais ser apenas competente. É preciso, antes, ser decente, nessa honestidade pela qual, em nome de todos, Bento XVI clamou. Quem tiver brios ouça, mesmo porque os que não os têm continuarão fingindo não ouvir.

Deixe um comentário