Debate Lula e Alckmin: Barjas em destaque.

O prefeito de Piracicaba, Barjas Negri, continua sendo assunto no tiroteio político em relação ao “dossiê dos sanguessugas”. No debate entre Lula e Alckmin, Barjas voltou a ser citado. O relato é dos jornalistas do Uol:

“Na hora das perguntas entre candidatos, Alckmin repetiu a pergunta que vem fazendo desde meados de setembro: “De onde veio o dinheiro sujo, 1,7 milhão em dinheiro vivo, para comprar um dossiê fajuto?”

“Faz 30 dias que ele quer saber de onde veio o dinheiro”, replicou Lula. “O único ganhador nesse trambique todo foi a candidatura do meu adversário”, disse. “A Polícia Federal é muito competente, ela não faz pirotecnia, ela investiga”. Lula afirmou que Alckmin possivelmente teria saudade do tempo da ditadura, quando as investigações eram mais rápidas.

“Uma investigação séria é demorada. Afastamos todas as pessoas envolvidas, cabe à PF fazer as investigações”, disse Lula.

Ao fazer a pergunta, o presidente e candidato à reeleição citou a participação de Barjas Negri, ministro da Saúde que sucedeu José Serra no governo de Fernando Henrique Cardoso, no escândalo dos sanguessugas e da máfia dos vampiros. Negri foi secretário de Habitação do então governador Alckmin. “O candidato sabia ou não sabia das transações obscuras do Barjas Negri?”

Alckmin respondeu que os escândalos não diziam respeito ao seu governo. “Não tem uma prova”, afirmou. “Quanto ao Barjas Negri, no meu governo não tem absolutamente nada. Se há alguém que não tem moral para falar de ética, é o candidato Lula.”

Lula voltou à carga e lembrou que no governo do PSDB e PFL em São Paulo, 69 pedidos de CPIs foram engavetadas. “A que preço eu não sei”, sublinhou. “Sou de formação pobre, mas da formação de quem não deve não teme”. Segundo o presidente, Negri tem condenações provisórias do Tribunal de Contas.”

Deixe um comentário