E as obras em Piracicaba?

Piracicaba não pode mais ignorar os acontecimentos envolvendo, em nível federal, o empreiteiro Abel Pereira e o prefeito Barjas Negri. Fingir que nada existe, mais do que escandaloso, é comprometedor, para não se dizer que conivente. E, num tempo de tantos desrespeitos e espezinhamentos aos direitos do povo – bem como à Justiça e ao Direito propriamente ditos – tentar “ver o sol com a peneira” se torna acintoso.

Que se esmiúcem os fatos, até para que a própria Alice, a do “país das Maravilhas”, consiga entender. Ora, a chamada “CPI dos Sanguessugas”, do Congresso Nacional, decidiu indiciar o empreiteiro piracicabano contra o qual pesam graves denúncias, especialmente a de receber propinas para liberar verbas na administração de Barjas Negri no Ministério da Saúde. São velhos conhecidos, ainda que tentassem negar as relações pessoais que mantêm, até mesmo por Abel Pereira ter sido um dos financiadores da campanha de Barjas Negri à Prefeitura de Piracicaba.

A CPI houve por bem considerar que Barjas e José Serra não tinham conhecimento das propinas. Mas é altamente comprometedor o esclarecimento das empresas envolvidas em revelar que apenas com a intervenção de Abel Pereira as verbas foram conseguidas no Ministério, pagando-se propinas ao empreiteiro. No “País das Maravilhas”, Alice diria que Barjas Negri, coitadinho, é um ingênuo que apenas atendeu os pedidos de um amigo, daquele que seria um dos financiadores de sua campanha.

Mas, para Piracicaba, a questão, além de nacional, tem agravantes municipais. Pois, durante a administração de Barjas Negri, passaram a contar-se às dezenas as obras municipais realizadas por empresas de Abel Pereira ou a ele coligadas. Não é possível que, diante de tantas denúncias e acusações feitas na CPI do Congresso Nacional, os políticos e o Ministério Público de Piracicaba se mantenham indiferentes a essas relações íntimas entre um empreiteiro, que está sob os holofotes da corrupção nacional, e o prefeito que, quando Ministro, atendeu tão generosamente às solicitações do amigo. A questão é municipal.

Que, até por preguiça, as lideranças piracicabanas tentem tapar o sol com a peneira com o que acontece em Brasília. Mas fingir que está tudo em paz e na mais absoluta tranqüilidade em Piracicaba, isso é exagerar no “faz de conta”. Que se lembrem: omissão também pode ser crime. Mesmo porque, no Fórum de Piracicaba, há questões que, dolorosamente, foram postas em “sigilo de justiça”!. É um país desafortunado: pobre, se rouba galinha, vai preso e seus delitos divulgados. Político tem assegurado o “sigilo de justiça”. Essa democracia capenga não pode funcionar.

Deixe um comentário