Storel e a bandeira pela dignidade.

Quando pessoas de bem – que são muitas – se movimentam em favor de uma candidatura que incorpore a decência política e a dignidade na vida pública, há uma convergência natural: Antônio Oswaldo Storel, uma das grandes e raras exceções, no universo político, de homem que dedicou sua vida ao bem e à comunidade. Poucos, raríssimos homens públicos e políticos souberam dignificar mandatos e cargos como Antônio Oswaldo Storel, cidadão cuja vida é testemunho de serviço à população, de consciência cívica a partir de sólidos princípios cristãos. Storel, no universo político, mantém a dignidade e a responsabilidade dos que entenderam a política como um serviço ao povo, na honrosa missão de servir e não de servir-se.

Piracicaba inicia, com o desenvolvimento industrial e tecnológico, uma fase que promete ser auspiciosa e, ao mesmo tempo, dramática para a população.Auspiciosa pelo que se anuncia com abertura de novos horizontes, mas perigosa pelas conseqüências sociais que podem ser irreparáveis se o poder público não for sensível, honesto e justo diante da organização social em mudança. Não há mais que se falar em desenvolvimento a qualquer preço, em obras vistosas ou em marketing eficiente. Muito menos há que se falar em homens competentes no poder, pois foram competentes Adhemar de Barros e Paulo Maluf, entre outros, com prejuízos morais ainda não ressarcidos, modelos negativos que infectaram o sonho de gerações.

Os nossos mais graves problemas não estão na violência, na insegurança, no trânsito caótico, nem a solução são construções de rotatórias, de pontes, instalação de luminosos ou favorecimentos a criações de condomínios. Uma cidade – como a nação – se constrói a partir de princípios morais rígidos, de consciência comunitária baseada na preservação de valores comuns, dos quais os fundamentais são os valores cívicos e familiares, históricos e espirituais. Uma cidade não se constrói apenas com bens materiais ou com obras vistosas, quase sempre discutíveis ou colocadas em suspeição. Uma cidade se constrói com a honradez de seu povo, com a herança que podemos deixar às gerações que se sucedem umas às outras, da mesma forma como a recebemos do que nos antecederam.

Piracicaba, nos últimos tempos, está sendo destroçada moralmente. Nossos jovens não têm referenciais pelos quais se nortearem, os exemplos da quase totalidade de nossos homens públicos são deletérios e detestáveis. Em todos os níveis, estamos sendo assaltados pela corrupção, pelo jeitinho, pela esperteza desonesta, como se a profecia de Ruy Barbosa se tivesse concretizado: o tempo de “sentir vergonha de ser honesto”. Mas é a bandeira da honestidade, a bandeira da decência, a bandeira do serviço idealístico ao povo e aos mais necessitados que precisam ser desfraldada. E, em especial, a bandeira da esperança à juventude, como se fosse um bastão, na corrida de revezamento, que entregamos orgulhosamente aos que nos sucedem, a nossos filhos e netos.

A Piracicaba de hoje – com pontes, com rotatórias, com semáforos sem fim – é um cenário suspeito que abriga grupos organizados de duas vertentes poderosas de poder, que se mancomunam: o poder político e o poder econômico. Fazem-se obras cada vez mais suspeitas e, quase sempre, direcionadas a classes sociais já protegidas. Na educação e na saúde, no antendimento social, na perspectiva de futuro, o menosprezo é cruel. E Piracicaba – mais do que do poder político e da vertente econômica – ainda vive, resiste e sobrevive a partir do maior dos poderes, que é o poder ideológico, nossa história, nosso passado, a honradez de nossa gente. É essa bandeira da dignidade histórica que precisa ser resgatada e desfraldada. E Antônio Oswaldo Storel é o homem para liderar essa missão que é coletiva.

Que Storel aceite essa responsabilidade e esse seu destino de ser fermento da decência. Que os partidos políticos tenham sabedoria e altruísmo para deflagrar essa cruzada cívica. E que os homens de bem se animem para o resgate da moralidade em nossa terra. Nossos filhos e netos merecem mais do que pontes suspeitas. Merecem a verdadeira história do piracicabanismo, escrita com a dignidade dos Moraes Barros, de Luiz de Queiroz, de nossos artistas e pensadores, de nossos empresários abnegados, que são muitos.

A próxima eleição há que ser uma cruzada de reconstrução moral da vida política em nossa terra. Que se entregue a Antônio Oswaldo Storel essa bandeira, pois suas mãos são limpas e nobres.

Deixe um comentário