Bailarinos de Piracicaba serão solistas da Joburg Ballet na África do Sul

Ivan, Monike, Rosângela e Camilla PupaOs bailarinos Ivan Domiciano e Monike Cristina embarcaram na quinta-feira, 28, para Johannesburgo, para viver um dos desafios mais importantes de suas carreiras. A dupla foi convidada para ocupar a posição de solista na Joburg Ballet, companhia que tem sede na maior cidade da África do Sul. Ivan e Monike atuavam na Cedan (Companhia Estável de Dança de Piracicaba), mantida pela Semac (Secretaria Municipal da Ação Cultural).

Eles foram selecionados após enviarem currículos, vídeos e fotos para a audição da companhia, a mais importante do país. O contrato como solistas é de, no mínimo, um ano. “Passamos em quatro companhias, mas aceitamos essa que tinha a melhor proposta”, avisa Monike, que já dançou na Alemanha, EUA, Paraguai, Suíça, Rússia e Ucrânia. “Estou muito ansiosa, mas muito feliz. É uma cultura bastante diferente”, observa a bailarina de 24 anos, 18 dos quais dedicados à dança.

Ivan, que também tem 24 anos e dança desde os 8, já atuou na Áustria, Alemanha, Rússia e Canadá e não vê a hora de chegar ao país. “Não conheço a África e estou muito feliz por ter sido escolhido”, disse.

Os dois irão dividir uma casa com outros bailarinos da companhia. A rotina de ensaios vai de segunda a sábado, das 10h às 18h. A temporada da Joburg Ballet começa em abril, com o balé Gisele, e segue com as montagens de Cinderela e Romeu e Julieta.

A secretária da Ação Cultural, Rosângela Camolese, comemorou a conquista. “É muito gratificante saber que o trabalho realizado pela Cedan tem dado resultados e o reconhecimento do talento dos nossos bailarinos no Brasil e no exterior é a prova disso”, afirma.

Camilla Pupa, maître e diretora artística da Cedan, também destacou o importante papel que companhia tem na formação de bailarinos, como Ivan e Monike, entre outros. “A Cedan está presente nas diversas fases desses bailarinos. Eles vão para uma experiência e retornam para a companhia, que é a ´casa´ deles. Esse incentivo adequado, que muitos não têm, é fundamental para que eles percorram o seu caminho e também para estimular outros bailarinos”, observa Camilla.

 

Deixe um comentário