Distrito e Estação de Tupi comemoram seus cem anos

O Distrito e a Estação de Tupi comemoraram seu centenário em solenidade realizada dia 29 de julho, com a participação de moradores locais e autoridades.

Antônio Carlos Angolini, historiador do bairro, discursou sobre a história da estação e de como a comunidade se desenvolveu em torno da linha férrea, ressaltando que trabalha para manter viva toda a história do lugar. “Tupi tem muita história. O importante é que estamos falando de história para lembrar as pessoas do passado e, a partir disso, incentivar os mais jovens para que essa história continue a ser contada. Então, esperamos que, depois dessa celebração, todos levem Tupi no coração”, disse.

Na sequência, o presidente da Associação de Moradores do distrito de Tupi, Carlos José Marco da Silva, o Chitão, destacou o desenvolvimento da região pelas mãos da comunidade. “Tupi é um bairro maravilhoso e é muito bom morar aqui. O distrito vem de uma história de homens e mulheres que desafiaram as dificuldades do tempo, mas essas pessoas venceram. E hoje, graças ao esforço da comunidade, e com apoio da Prefeitura, conseguimos manter a nossa estação, preservando e dando continuidade a essa história”, ressaltou.

Um livro sobre o centenário também está sendo produzido pelo historiador Antonio Carlos Angolini, em conjunto com o presidente da Associação de Moradores do distrito de Tupi, Carlos José Marco da Silva, o Chitão. De acordo com Chitão, a obra está em fase de revisão. “O livro terá uma coleção de fotos históricas do distrito, contando a história de Tupi, mas também como forma de comemorar os cem anos da estação e do distrito”, comenta.

Um braço do desenvolvimento da cidade

Para o ordenador de despesas da Semac, Hermes Balbino, Tupi tem uma história muito importante para Piracicaba. “Presenciamos um lugar onde muitas pessoas deixaram suas marcas. Então, para nós é uma satisfação comemorar este centenário”.

O prefeito Luciano Almeida destacou importantes ações da gestão em benefício do distrito de Tupi e dos bairros adjacentes. “No passado, essa estação foi um braço do desenvolvimento da cidade. Agora temos tentado ter um olhar para essas regiões fora da área urbana, trazendo mais desenvolvimento e qualidade de vida para os moradores. Em conjunto com as secretarias, buscamos fazer melhorias nas estradas, recapeamento nas ruas. Temos o Horto Florestal, que é uma marca muito forte de Tupi, onde temos realizado um trabalho de recuperação e de limpeza. Então estou muito feliz de participar desse momento, parabenizo Tupi pelos cem anos e que venham mais cem anos”, destacou.

No encerramento do evento foi feito o descerramento da placa alusiva ao centenário. E, na sequência, a comitiva oficial partiu para as comemorações do também centenário da Estação da Paulista.

A Estação e o Distrito de Tupi

Segundo Angolini, o bairro de Tupi começou a se desenvolver durante a construção da estação. Em 1902, foi assinado contrato entre a Câmara de Piracicaba e a Companhia Paulista de Estrada de Ferro, para a construção de um ramal férreo entre Nova Odessa e Piracicaba. “Em 1916, foi inaugurada a estação de Recanto, em Nova Odessa, local do entroncamento da nossa linha. Em 1917, uma estação foi construída em Santa Bárbara. Então, em 1922, era finalmente inaugurada a nossa Estação de Tupi. É interessante lembrar que no mesmo dia, 29 de julho, também foi iniciada a Estação de Caiubi, hoje pertencente a Santa Bárbara D’Oeste. Então o dia é considerado como a fundação desses bairros”, conta o historiador.

Augusto Marengo, um imigrante francês, foi o primeiro a se estabelecer próximo da estação, com um pequeno armazém construído de tábua. Em seguida, chega o segundo morador do bairro, José Gonçalves Barroso, o Barrozito, um imigrante português. “Ele foi o primeiro a construir uma casa em taipa de mão, também montando um pequeno armazém que atendia os turmeiros das empreiteiras que trabalhavam na construção da ferrovia”, complementa Angolini.

O historiador explica ainda que José Basso, então administrador da Fazenda Morro Grande, foi um dos principais responsáveis em conseguir, junto à Cia. Paulista, a construção da estação. Posteriormente, Basso viabilizou a doação das terras para a formação da Estação Experimental de Algodão de Piracicaba, hoje Horto Florestal de Tupi.,

O distrito se desenvolveu. Em 1923 foram inauguradas a capela de São José (hoje igreja matriz) e as Escolas Reunidas de Tupi, com oito classes. Em meados dos anos 1930, foi fundado o Tupi Futebol Clube, equipe de futebol amador que atua até os dias de hoje. Em 1976, foi iniciada a construção da praça Marcelino Boaretto, no entorno da Igreja Matriz de São José, onde acontece a tradicional Festa de São João de Tupi.

É preciso lembrar, ainda, da nossa Festa de São João, que é realizada há mais de 80 anos”, destaca Angolini, que é um dos moradores mais antigos do distrito. “É uma beleza morar aqui, um paraíso. E é bom ver que está se tornando uma região mais turística”, completa.

Em 1936, por meio da lei 2.783, o então bairro passou a ser distrito. Na estação, o trem de passageiros circulou até 1976; os trens de carga até meados de 1994. A Prefeitura realizou reforma na estação em 1996, a pedido dos moradores do distrito, transformando-a em velório e centro comunitário.

Deixe uma resposta