Exposição “Canteiro de Obras” reúne pop art, protestos e transformações na sociedade

unnamedA partir de quarta-feira, 13 de maio, o Sesc Piracicaba abre a exposição “Canteiro de Obras”, que reúne 37 trabalhos, entre serigrafias, litogravura, pinturas e objeto-instalação, do artista Claudio Tozzi, adepto da pop art e considerado um dos primeiros profissionais a criar na velocidade dos acontecimentos.A abertura será às 19h e a visitação até o dia 5 de julho.

Nascido na década de 40, o artista iniciou sua carreira em meio aos protestos que os estudantes organizavam contra a ditadura militar, na década de 60. Em suas obras, acontecimentos que fazem alusão aos protestos e também sobre as profundas transformações vividas no âmbito feminino.

A exposição – Esta mostra conta com 33 gravuras, sendo uma litogravura e 32 serigrafias, e conta ainda com 3 pinturas e um objeto. Apresenta a trajetória do artista Claudio Tozzi em ordem cronológica, com obras de 1967 a 2005. A curadoria da exposição é de Fábio Magalhães (Texto anexo).

 

Material educativo – Destinado a professores e/ou mediadores, a exposição disponibiliza material educativo de apoio com a intenção de promover diferentes possibilidades de leitura das obras expostas nesta mostra. No conteúdo, a trajetória da vida e da obra de Claudio Tozzi, contextualizando sua carreira de acordo com referências artísticas e de época e breve explanação de cada década de atuação do artista, acompanhadas por estratégias de leitura, tópicos para reflexão e debate, depoimentos do próprio artista, referências do mundo e da arte, propostas de atividades como respostas poéticas e jogos interpretativos como desdobramentos pedagógicos. A sugestão do material é servir como fio condutor de sua visita à exposição e a ideia do artista arquiteto de mundos e imagens.

 

Técnicas

Sobre a Serigrafia – processo de impressão que utiliza um estêncil produzido em tecido de trama fina revestido por um filme ou emulsão que veda seletivamente a passagem da tinta, conforme a imagem nele estampada. Essa camada é constituída de material fotossensível, que aceita as técnicas de reprodução fotomecânica, mantendo, após revelada, apenas as áreas expostas. A imagem é, portanto, gravada a partir de transparência positiva, mas pode também ser criada por recorte da película. A tela, originalmente de seda, hoje substituída por material sintético ou metálico, é presa a uma moldura e colocada sobre a superfície a ser impressa. Essa última recebe a tinta, que atravessa a tela nas partes desobstruídas, com o uso de um rodo, rolo ou pincel de cerdas rígidas. O trabalho pode ser composto de várias passagens em ilimitadas combinações de cores, além de se adaptar a uma grande diversidade de superfícies, em tiragens artesanais ou de larga escala.

 

Sobre a Litografia – É executada sobre pedra calcária. Limpa-se a pedra com solvente; após o “desengorduramento”, ela é granida, em geral com areia, na construção dos grãos da superfície. Desenha-se sobre esta com lápis litográfico ou tinta oleosa, baseando-se o procedimento no fenômeno químico da repulsão das substâncias graxas e da água. Na impressão, a tinta não adere, portanto, às partes que absorveram a umidade e que funcionam como fundo. Usa-se, às vezes, o zinco ou o alumínio como matriz, que tem alguma semelhança com a pedra litográfica.

 

 

SERVIÇO

ARTES VISUAIS

Exposição

Canteiro de Obras
Abertura: 13, quarta, 19h.

Visitação: até 5/7, terça a sexta, das 13h30 às 21h30.

Sábados, domingos e feriados, das 9h30 às 18h.

Área de Exposições. Grátis. Livre para todos os públicos.

Deixe um comentário