Estranhos desejos

estranho

Universal

O Estranho que Nós Amamos foi um filme de destaque, lançado em 1971, na carreira de Clint Eastwood, com seu diretor preferido, Don Siegel. A história, ambientada em 1864, mostra um soldado da União que é ferido e cuidado pelas mulheres de um internato.

Agora a produção surge totalmente diferente, dirigida por uma mulher, a premiada Sofia Copollla. Para evitar comparações com a primeira adaptação, a cineasta conta que nem reviu o filme e se inspirou apenas no livro de Thomas Cullinan.

O resultado é uma versão que poderia ser chamada de politicamente correta, sem exageros como a cena do beijo entre o herói e uma menina e a visão dele como o garanhão que deixa a mulherada nervosa. Nada disso, o que conta é a sutileza da visão feminina. Colin Farell, o soldado, é mais contido. Nicole Kidman é outro destaque como a austera diretora, assim como Kirsten Dunst na pele da aluna reprimida. O final é triste e poético.

Deixe um comentário