Elas fizeram história na música caipira

Educadora musical e cofundadora, diretora e regente da “Orquestra de Viola Caipira As Piracicabanas”, Marcela Costa foi uma das debatedoras do ciclo de palestras e debates realizado, na edição de Piracicaba, pelo Projeto “Mulheres Semeadoras de Cultura”, do ICEN – Instituto Cecílio Elias Netto.

Ela falou sobre a constituição da orquestra de viola caipira formada só por mulheres – da qual é a regente. E destacou duas presenças femininas marcantes na música caipira, tradicionalmente território mais masculino: Helena Meirelles e Inezita Barroso. A Província registra, então, um breve perfil destas duas violeiras.

Inezita Barroso (1925 – 2015)

inesita

Ela nasceu em São Paulo capital, foi cantora, atriz, instrumentista, bibliotecária, folclorista, professora, apresentadora de rádio e TV. Também atuou em cinema, teatro e na produção de importantes musicais. Apaixonada pela cultura e música brasileiras, aos sete anos já cantava e tocava violão e viola. Durante 35 anos apresentou o programa de música caipira “Viola, Minha Viola”, na TV Cultura. Foram mais de 50 anos de carreira, com mais de 80 discos gravados.

Helena Meirelles (1924 – 2005)

Helena Meirelles

Violeira, cantora e compositora do interior de Mato Grosso do Sul, ela alcançou reconhecimento internacional por sua viola caipira. Com infância entre peões e violeiros, começou a tocar, mesmo sem a aprovação da família; e se tornou conhecida entre os boiadeiros da região. Deixou dois casamentos e filhos para seguir seu caminho com a viola, tocando em bares, onde conheceu seu terceiro marido. Por mais de 30 anos, no entanto, não se teve notícia dela – quando foi, doente, levada para São Paulo. Lá, recebeu atenção da mídia, motivada por matéria na revista norte-americana “Guitar Player”. A partir disso, gravou discos e, aos 67 anos, se apresentou num teatro pela primeira vez. Em 1993, Helena Meirelles esteve entre os “100 mais” da revista “Guitar Player”.

Mulheres Semeadoras de Cultura

O Projeto “Mulheres Semeadoras de Cultura”, do ICEN – Instituto Cecílio Elias Netto, foi composto por um ciclo de palestras e debates, e a publicação de um livro. Com a coordenação da B2 Comunicação, o Projeto contou com o apoio cultural da Caterpillar – por meio da Lei Rouanet, Lei Federal de Incentivo à Cultura. Para conhecer o Projeto, na íntegra, acesse o link: https://bit.ly/2ml0xyf

Venha, você também, semear cultura

Agora, A Província quer ouvir e publicar sua história; conhecer sua experiência; saber quem são mulheres semeadoras de cultura para você – muitas delas anônimas e desconhecidas. Queremos aprender mais sobre o que é semear cultura e investigar a qualidade da semeadura de todos nós. Por isso, convidamos você a, também, fazer parte deste Projeto!

Envie seu depoimento ou seu relato para o e-mail redacao@aprovincia.com.br, identificando seu nome e profissão, com uma foto (opcional). Ou registre aqui, mesmo, no espaço reservado aos comentários.

Deixe uma resposta