Mulheres negras semeando cultura

Juliana_evento-SeteLagoas

Juliana de Freitas no evento de Sete Lagoas

“Mulheres negras semeando cultura” foi um dos temas apresentados no ciclo de palestras e debates realizado, na edição de Sete Lagoas – MG, pelo Projeto “Mulheres Semeadoras de Cultura”, do ICEN – Instituto Cecílio Elias Netto. A palestra foi proferida por Juliana de Freitas, advogada, professora de História e integrante da Comissão da Igualdade Racial OAB/MG.

Sobre o evento realizado, Juliana comentou: “Nós mulheres somos as semeadoras da cultura, somos nós que iniciamos as crianças no mundo cultural, seja em casa, na escola ou na sociedade. E destaco a importância deste evento, tendo em vista as várias discussões ocorridas em relação aos direitos femininos. Esta discussão chegou à nossa cidade, Sete Lagoas, e precisa ser fortalecida e olhada, sob a perspectiva crítica, por todas nós. E sob seus diversos ângulos, principalmente em relação à violência e discriminação.”

“Mas também precisamos olhar para o universo da cor, que nos segrega, define espaços e impede a acessibilidade da mulher negra às esferas de decisão e poder. Um olhar maduro e consciente, que nos traz responsabilidade por mudar a nossa realidade.”

Mulheres Semeadoras de Cultura

O Projeto “Mulheres Semeadoras de Cultura”, do ICEN – Instituto Cecílio Elias Netto, foi composto por um ciclo de palestras e debates, e a publicação de um livro. Com a coordenação da B2 Comunicação, o Projeto contou com o apoio cultural da Caterpillar – por meio da Lei Rouanet, Lei Federal de Incentivo à Cultura. Para conhecer o Projeto, na íntegra, acesse o link: https://bit.ly/2ml0xyf

Venha, você também, semear cultura

Agora, A Província quer ouvir e publicar sua história; conhecer sua experiência; saber quem são mulheres semeadoras de cultura para você – muitas delas anônimas e desconhecidas. Queremos aprender mais sobre o que é semear cultura e investigar a qualidade da semeadura de todos nós. Por isso, convidamos você a, também, fazer parte deste Projeto!

Envie seu depoimento ou seu relato para o e-mail redacao@aprovincia.com.br, identificando seu nome e profissão, com uma foto (opcional). Ou registre aqui, mesmo, no espaço reservado aos comentários.

Deixe uma resposta