A capela da Imaculada Conceição e seus capelães

Claudinei Pollesel, IHGP e Ir. Maria Antonia de Santana Galvão, OIC

O Mosteiro das concepcionistas de Piracicaba foi fundado em 1956 por iniciativa de Dom Ernesto de Paula. Até 1972 ficou instalado no Palácio Episcopal, na Rua 13 de maio, no centro de Piracicaba, sendo então transferido para o endereço atual, na Vila Rezende.

A capela do Mosteiro é dedicada à Imaculada Conceição e as missas são celebradas todos os dias às 7 horas da manhã, sábados às 17h horas e domingos às 10h30.

É uma construção simples, despojada de enfeites ou adereços, ao estilo do mosteiro, também muito sóbrio. Além da bela imagem da Imaculada Conceição, existe a do Coração de Jesus, a de São José, e a de Santa Beatriz da Silva, fundadora da Ordem da Imaculada Conceição, as concepcionistas. Esta imagem foi confeccionada em Portugal e doada ao Mosteiro da Luz, em São Paulo. Veio para Piracicaba junto com as cinco irmãs pioneiras, fundadoras do Mosteiro. Em sua cabeça repousa uma bela coroa de pedras verdadeiras e uma estrela. O pedestal em que está colocada esta bela imagem de Santa Beatriz foi confeccionado em madeira de lei pelo luthier piracicabano Nelson Polizel. Causa espanto e admiração a riqueza de detalhes e o exímio acabamento proporcionado pelo artesão, que é também amigo e vizinho do mosteiro.

Os padres responsáveis pelas celebrações no mosteiro são nomeados pelo bispo e recebem o título de capelães. Desde sua fundação exerceram esta função os seguintes sacerdotes:

Dom Ernesto de Paula – nasceu em São Paulo, em 5 de fevereiro de 1899. Foi ordenado sacerdote no dia 14 de agosto de 1927, na Matriz de Santa Cecília, pelo arcebispo de São Paulo, Dom Duarte Leopoldo e Silva.

Em 26 de novembro de 1941, foi nomeado bispo de Jacarezinho (PR). Sua ordenação episcopal ocorreu em 4 de janeiro de 1942, na Igreja de Santa Ifigênia.

Encerrado seu ministério episcopal na diocese, no dia 14 de janeiro de 1960, Dom Ernesto voltou a residir em São Paulo, ficando quase cinco anos sem atividade, para cuidar de sua saúde.

Mas participou do Concílio Vaticano II (1962-1965).

Faleceu no dia 31 de dezembro de 1994, aos 95 anos de idade, no Hospital Santa Isabel. Está sepultado na cripta da Catedral da Sé, na capital paulista.

Dom Ernesto recebeu o título de “Cidadão Piracicabano”. É nome de uma rua no Jardim Boa Esperança, em Piracicaba, e de uma praça em São Paulo.

Mons. Cecílio Cury – Nasceu em 7 de fevereiro de 1905, em São Paulo. Ordenado padre em Campinas, aos 4 de setembro de 1932. Trabalhou em Descalvado, Leme, Artur Nogueira, Indaiatuba, Santa Maria da Serra, Capivari, São Pedro, Águas de São Pedro, Rio das Pedras e Piracicaba, onde foi professor no Seminário Diocesano, Auxiliar na Catedral e na Matriz da Vila Rezende, Chanceler da Cúria e Capelão das Missionárias de Jesus Crucificado e da Capela Curada de Monte Alegre. Falecido em Piracicaba aos 27 de setembro de 1983, está sepultado no Cemitério de Rio das Pedras. É nome de uma travessa em Piracicaba.

Dom Aniger Francisco de Maria Melillo – nasceu em Campinas em 27 de junho de 1911, filho de Vicente Melillo e Regina Morato Melillo. Foi ordenado sacerdote em 31 de dezembro de 1933. Um mês depois foi nomeado para a Paróquia de Nossa Senhora do Carmo, de Campinas, como coadjutor do Cônego Francisco Amaral (que depois foi eleito bispo de Lorena e de Taubaté). De 1937 a 1940, foi coadjutor de Mons. Rosa na Matriz de Santo Antônio, em Piracicaba.Depois exerceu, em Campinas, os ofícios de pároco da Paróquia Nossa Senhora do Carmo e reitor do Seminário Diocesano. Foi nomeado cônego do Cabido Diocesano.Em 1955, foi nomeado pároco de Iracemápolis, onde celebrou seus 25 anos de sacerdote, em 1958. Era pároco na cidade quando foi nomeado bispo de Piracicaba em 29 de maio de 1960.

Faleceu em 17 de abril de 1.985, no Instituto do Coração, em São Paulo, aos 74 anos de idade. Foi velado em Piracicaba, na Catedral de Santo Antônio, em cuja cripta se encontra sepultado. Na cidade de Piracicaba, Dom Aníger é patrono de uma escola no bairro Bosque dos Lenheiros e nome de uma rua no bairro Jardim Ipanema.

Dom Salvador Paruzzo – nasceu em 15 de outubro de 1945 em Montedoro, Caltanisseta, Italia. Foi ordenado padre em 29 de junho de 1969. Chegou à diocese em 1979, a convite de Dom Aníger, assumindo, em 24 de novembro, a recém-criada Paróquia São Pedro, em Piracicaba. Em janeiro de 1985 assumiu como reitor do Seminário Teológico e pároco da Paróquia São José, em Santa Bárbara, ofícios que exerceu até março de 1990. Deixou a diocese para dedicar-se totalmente à “Obra de Maria”, do Movimento dos Focolares, em Vargem Grande Paulista, Diocese de Osasco.

Em 30 de dezembro de 1998, o papa João Paulo II erigiu a Diocese de Ourinhos e nomeou o padre Salvador como primeiro bispo. Sua ordenação episcopal ocorreu em 19 de março de 1999 e, dois dias depois, tomou posse naquela diocese.

Mons. Luis Coelho Mendes – nascido aos 30 de dezembro de 1927, em Piracicaba, foi ordenado padre por Dom Ernesto de Paula, aos 8 de dezembro de 1950. Foi vigário Cooperador da Paróquia São João Batista de Capivari, Vigário Ecônomo de Charqueada, Vigário Auxiliar da Catedral Santo Antônio, Pároco de Santa Bárbara por dez anos, Vigário-geral da diocese, Reitor do Seminário Diocesano, Vigário Paroquial da Paróquia Imaculada Conceição da Vila Rezende e Capelão Auxiliar do Lar dos Velhinhos. Recebeu em 25 de abril de 1980 o título de “Cidadão Barbarense”. É autor do livro “Semeando”, que contém comentários do Evangelho. Faleceu, aos 14 de novembro de 1997, em Piracicaba, sendo sepultado no Cemitério da Saudade. É nome de rua em Santa Bárbara D´Oeste e em Piracicaba, no Bairro Boa Esperança.

Padre Otto Dana – natural de Dr. Pedrinho, SC, onde nasceu em 4 de setembro de 1938. Foi ordenado padre em 18 de março de 1967. É pároco da Paróquia Sant´Ana, em Rio Claro, onde tomou posse em 4 de fevereiro de 2006.

Foi Cura da Catedral, pároco da Paróquia Santo Antônio. Tem especialização em Filosofia da Educação, mestrado em Ciências Sociais e doutorado em Sociologia da Religião. Foi professor da UNESP, no campus de Marília.

Padre Vicente Tonetto – Nasceu em San Doná del Piave, Província de Veneza (Itália), em 28 de outubro de 1927, filho de Luigi Tonetto e Maria Biazon Tonetto. Missionário da Pia Sociedade de São Francisco Xavier para Missões Estrangeiras (xaverianos). Em 16 de outubro de 1960, foi ordenado sacerdote. Em 1962, veio para o Brasil. Após breve passagem pelo Rio de Janeiro, atuou em várias cidades do Paraná. Em 1981 foi transferido para Piracicaba, onde foi o primeiro pároco da Paróquia São Francisco Xavier, ofício que desempenhou por 15 anos. Depois de trabalhar um tempo no Paraná, retornou à paróquia de Pirac icaba, onde foi vigário-paroquial por aproximadamente dois anos. Depois, exerceu seu ministério em outras cidades, no Brasil e na Itália. Retornou à nossa diocese em maio de 2007, dirigindo por alguns meses a Paróquia Sagrado Coração de Jesus, em Saltinho, onde recebeu da Câmara Municipal o título de “Cidadão Saltinhense”. Em fevereiro de 2008, transferiu-se para a Paróquia Imaculado Coração de Maria, em Piracicaba, como vigário-paroquial. Em viagem de férias na Itália, em sua cidade natal, sofreu grave acidente; após longa internação, faleceu no dia 10 de setembro de 2010, com 82 anos de idade e 49 de sacerdócio. È nome de rua e praça em Piracicaba.

As irmãs e a comunidade da capela lembra com muito carinho e saudades de outros padres que celebraram com ou sem nomeação de capelão e que se tornaram amigos :da diocese, Cristóvão, Miguel Gil e Giovanni Giglio, os salesianos Manoel Pinto Pereira e Antonio Feltrin ,os xaverianos João Bortolocci Filho, Alécio Cabras, Rafael Lopez Villasenor, Claudio Bratti , Mario Tognali, Bruno Boschetti, Jair Julião e Sandro Zanchetti.

O atual capelão é o Pe. Ricardo Martins, natural de Rio Claro/SP, onde nasceu em 25 de maio de 1966. Foi ordenado padre em 13 de dezembro de 1998. É pároco da Paróquia São Lucas, em Piracicaba, onde tomou posse em 19 de agosto de 2006. É articulador diocesano das Novas Comunidades e diretor espiritual dos Vicentinos. Iniciou seu ministério como vigário-paroquial da Paróquia Santa Bárbara, em Santa Bárbara D´Oeste. Em 2000 assumiu a Paróquia São Francisco de Assis, em Piracicaba, como administrador paroquial; depois se tornou pároco.

Aos finais de semana e sempre que Pe. Ricardo não pode estar presente, quem celebra é o Pe. Antonio Ballestero, salesiano nascido em Piracicaba, quase pároco em Artemis e auxiliar na Paróquia Bom Jesus do Monte.

De uma ou outra forma, todos estes padres contribuíram para o crescimento espiritual da comunidade dos amigos do Mosteiro. Em todas as missas a capela fica repleta de fiéis, agradecidos pelo privilégio da missa diária. Tanto que as Irmãs pensam em ampliar a capela para melhor acolhimento dos fiéis.

Ao final das celebrações é comum ver um pequeno grupo se formar em frente ás grades da clausura para uma pequena conversa com as irmãs. É momento de paz e distribuição de conselhos e bênçãos, tão importantes e raros numa cidade grande…

Deixe um comentário