A secular “fábrica”

 

A “fábrica de tecidos” – que foi Santa Francisca, depois Arethusina, enfim Boyes – foi criada por Luiz de Queiroz em 1876 com 50 teares, 2.500 fusos e 70 operários, os mais especializados trazidos diretamente da Europa. A produção era de 600 a 700 mil metros de algodão por ano, enviada para São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná. Luiz de Queiroz buscava matéria prima em Santa Bárbara D’Oeste, Sorocaba , Tietê e Tatuí, pagando 2$000 por arroba de algodão bruto já em 1877, ao mesmo tempo em que tentava incrementar seu cultivo em Piracicaba.

A fábrica surgiu justamente durante o ciclo agrícola do algodão. Em 1862, São Paulo exportava 1 tonelada de algodão; em 1900, a exportação chegou a 1.842 toneladas.

Deixe um comentário