Amor tórrido e escandaloso

Piracicaba sempre foi terra de grandes amores e paixões. Isso nos vem de nosso berço. Sempre foram, no entanto, amores difíceis, perseguidos. O primeiro escândalo amoroso de que se tem conhecimento teve como protagonista o comandante da força armada que para cá se destacara, Carlos Bartholomeu de Arruda. Ele era natural de Itu, onde residia sua família. Ele se apaixonou pela viúva de um emigrado muito rico, de nome Flora.

As relações entre Carlos e Flora se tornaram públicas e isso irritou o povoador Antonio Correa Barbosa, que pediu a remoção do comandante da força. Mas o Morgado de Itu, atendendo os apelos populares, em favor do comandante, resolveu que Flora era quem devia ser degradada para Itu. E lá ela ficou por algum tempo, apelando para retornar e cuidar de suas propriedades. Flora voltou, mas as ordens do Morgado, para Correa Barbosa, de que “não consinta que Carlos visita Flora em casa d’esta, nem que esta viste o comandante em casa d’este e além disso que não se encontrem em parte alguma, até mesmo na capoeira.”

O comandante Carlos Bartholomeu de Arruda tornou-se homem poderoso, obtendo a sesmaria do Bom Jardim do Salto, que comprendia as fazendas São João da Montanha, Monte Olympio e parte da fazenda Monte Alegre. Foi pai de Carlos José Botelho, que gerou Carlos de Arruda Botelho, o Conde de Pinhal e o Coronel Paulino Carlos.

 

 

 

Deixe um comentário