Como os piracicabanos se divertiam em 1940

Cena do filme “Vitória Amarga”, com Bette Davis.

No primeiro domingo de 1940,a grande novidade de Piracicaba foi um “jantar dançante com “óptimo jazz”. Tratava-se de uma nova opção de lazer na cidade, oferecida nos “suntuosos salões do Clube Piracicabano”,entre 19:00 e 1:00 hora, ao preço de 10$00 por pessoa.

Nos cinemas, a chamada “soirée” acontecia às 8:00 horas, no Cine Broadway, que também promovia sessões especiais para as moças.Naquela semana, tanto o Broadway como o Cine São José  tinham o mesmo filme em cartaz: “Espírito do dever”, mas a grande atração era anunciada para as semanas seguintes,quando chegaria à cidade “Vitória Amarga”, com Bette Davis.

Para ir em busca de divertimentos mais diversificados, o transporte para São Paulo que se sugeria envolvia ônibus e trem. De ônibus, até Limeira, tomando-se o horário das 9:00 horas, gastava-se uma hora. Era possível, então, se fazer baldeação e tomar-se o trem que partia às 10:50 horas para a capital.Quando o destino era o interior do Estado, a opção era também o ônibus das 9:00 horas, que permitia achegada a Limeira em tempo de se tomar o trem do aço, às 10:20 horas, com destino a Araraquara,Barretos e com baldeação em Itirapina para quem tivesse como destino Agudos, Bauru ou Jaú.

Para viajar de ônibus, com a maioria das estradas de terra, os passageiros usavam túnicas, os guarda-pós,  para evitar empoeirar as roupas.

1 comentário

  1. maria lucia zulzke em 28/08/2012 às 12:16

    Creio que, naquela época, mulheres só viajavam acompanhadas de homens ou com autorização de marido ou pai, e feito formalmente pelo Delegado da cidade. Havia "carteirinha " com foto da mulher, identificações e assinatura com caneta tinteiro do delegado. 72 anos não foram em vão… na nossa vida de rotina e de viagens…e de tuteladas até …1962 e homens protetores e responsáveis pelas mulheres.

Deixe um comentário