Como Prudente de Moraes via Piracicaba (II)

“Lugar de degredo…”

“É bem nova a existência desta povoação; entretanto, não se pode precisar a data de sua fundação. No século passado, o rio Tietê era freqüentado pelas monções partidas de Porto Feliz que entretinham relações comerciais entre esta e a capitania de Mato Grosso. Refere a tradição que, no fim desse século, uma dessas monções que descia Porto Feliz pelo Tietê, chegando à barra do Piracicaba, resolveu explorar este rio e subiu por ele até o salto, então povoado por índios, atraídos pela abundância de peixe. Feita essa exploração, os capitães-mores de Itu e Porto Feliz, entendendo ser impossível sair-se daqui a não ser por meio dessa difícil e longa viagem fluvial, aproveitaram-se dessa circunstância e começaram a degradar para cá as pessoas que por lá não lhes agradavam. Mas uma dessas vítimas do despotismo, sertanejo destemido, embrenhou-se pelos matos em direção a Itu e, vendendo todos os obstáculos, conseguira chegar ao alto denominado hoje do Samambaia, donde avistou a povoação que o degredara. Por essa direção, abriu uma picada e, por esta, o caminho que fez este lugar perder as vantagens que o tornavam apropriado para o degredo.

Lugar de degredo – eis o que foi Piracicaba em seu berço, mas, também, o vasto país de que faz parte, em seus primitivos tempos, não teve melhor sorte.”

Deixe um comentário