O que vendiam os mascates no século XVIII

Morgado de Mateus, que antes de se tornar personagem central da história de Piracicaba, exerceu seu papel de capitão general, deixou registrada a prisão por ele realizada, em Sorocaba, em 1766, do mascate Bernardo José Ferreira, vindo do Rio de Janeiro, sem muitas explicações.

Mas a composição de suas mercadorias desenha o tipo de comércio que se fazia entre as pequenas povoações, que dependiam justamente deste tipo de venda: fazendas como sarja, tafetá e linho; chapéus de Braga e do Porto, pentes atartarugados, cadarço de lã, lenços encarnados, espelhos pequenos, rosários de osso e de coco, navalha de barba, fivelas de sapatos, agulhas sortidas, caixas de tabaco, bacia de arame de urinar, sabonetes do Reino, cordas de viola e cartas de baralho.

 

 

Deixe um comentário