Tapete de flores para os Expedicionários

No dia 18 de agosto de 1945, Piracicaba parou. Os seus heróis, expedicionários que retornavam da Europa, onde haviam participado da II Guerra Mundial, foram recepcionados com festas, comemorações, lojas e indústrias fechadas para que todos pudessem se envolver nas festividades.

 

Chegaram na Estação da Paulista, ainda pela manhã, o tenente Carlos Mendes Coelho, o sargento Gumercindo Basso, o cabo Gildo Cortezi, o cabo Lázaro Camargo, os soldados Virgino Matarazo e Pedro Custódio de Oliveira, embora os números iniciais indicassem a existência de 14 piracicabanos nos pelotões da FEB.

Preparada com semanas de antecedência e ampla mobilização popular, a recepção começou já na estação, com a presença de escolares e bandas. O cortejo seguiu até a Praça Central, com os soldados tendo diante de si um tapete de flores e 8 mil bandeirinhas nacionais a enfeitarem as ruas.

Depois de uma missa campal, o grupo foi recepcionado com suas famílias com um almoço no Hotel Central. A grande festa aconteceu ao final da tarde, com a presença de estudantes, trabalhadores, todos reunidos na Praça Central, com os expedicionários sendo saudados e aplaudidos como heróis. A cada um foi entregue uma medalha de ouro.

Em todo o Estado, as comemorações tiveram esse aspecto cívico, com o governador Fernando Costa indicando que cada um dos municípios deveria decretar ponto facultativo na data de retorno de seus expedicionários.

 

 

 

 

Deixe um comentário