As diversas caras do “Nhô Quim”

(DEPOIMENTO E ARQUIVOS DE ROCHA NETTO)

Em 1948 , quando o XV disputava o Campeonato da II Divisão de Profissionais da Federação Paulista, havia na rua São José, ao lado da porta de entrada do Clube “Coronel Barbosa”, o “Chalet Paulista”, de propriedade de Armintos Raya. Era um ponto obrigatório dos esportistas

da cidade pela proximidade com a sede do XV, quase em frente ao Teatro São José.

O Chalet possuía um alto-falante na porta, que transmitia todos os programas da Rádio Difusora de Piracicaba – na época PRD6 – Rádio Clube de Piracicaba. Por iniciativa de um funcionário do Chalet, de nome Paulo, foi implementada a idéia de expor, semanalmente, uma charge onde aparecia um personagem represen- tando o XV de Piracicaba. Era um caipira magro, com camisa listrada e sapatos grandes. O nome do personagem era Jeca. E havia sido criado pelo cartunista piracicabano Edson Rontani.

Foi quando Nino Borges, desenhista de A Gazeta Esportiva, criou o Nhô Quim em 1949, a pedido do redator-chefe do jornal, Thomaz Mazzoni. Era o tratamento carinhoso, caipira, para Senhor: “Nhonhô”, “Nhô”, e “Quim”, de Quinze. Rontani não alterou o seu desenho e o povo também começou a chamá-lo pelo mesmo nome. Mazzoni foi o responsável pela criação de vários mascotes caricaturais de clubes do futebol paulista, como o Mosqueteiro (Corinthians), o Santo (São Paulo), a Baleia (Santos), o Periquito (Palmeiras), o Moleque Travesso (Juventus),

o Bugre (Guarani) e a Macaca (Ponte Preta), entre outros.

Em 1952, saindo das vitrinas, Rontani teve a oportunidade de publicar no “Jornal de Piracicaba” as caricaturas do Nhô Quim. Em 1953, quando Sebastião Ferraz passou a dirigir “O Diário de Piracicaba”, Edson foi convidado a colaborar com charges dominicais.

Em contato com Nino Borges, já aposentado da Gazeta Esportiva, Rontani pediu permissão para dar continuidade à figura do Nhô Quim. Em 1966, o personagem foi totalmente remodelado, já com a aparência do desenho criado originalmente por Borges.

A EVOLUÇÃO DOS DESENHOS DO NHÔ QUIM

 Em 29 de maio de 1949, Nino Borges, em “A Gazeta Esportiva”, cria o personagem “Nhô Quim”, que é apresentado aos demais clubes da Federação Paulista de Futebol.

 

Archimedes Dutra, notável artista piracicabano, desenha o “Nhô Quim”, que se tornou Campeão do Torneio Início do Campeonato Paulista de Futebol, em 1949.

 

 

 

 

Em 17 de julho de 1950, o “Nhô Quim” de Nino Borges é “flechado” pelo “Bugre”, num empate de dois a dois entre o XV e o Guarani.

 

 

 

 

 

 

O “Nhô Quim”, já alterado por Edson Rontani em 1968.

 

 

 

 

 

 

 

 

O fotógrafo Cícero Corrêa dos Santos passou a fantasiar-se de “Nhô Quim”, acompanhando o time piracicabano. Na foto, em 21 de fevereiro de 1968, no Palácio Bandeirantes.

2 comentários

  1. Edson Rontani Júnior em 27/05/2013 às 23:09

    Correção – XV é flechado pelo Bugre em desenho de Manolo, publicado no jornal "O Governador".

  2. Daniel Messias em 20/03/2015 às 00:48

    Apenas uma correção:o penúltimo desenho de cima para baixo não é do cartunista Nino Borges, mas sim do também chargista Messias de Mello.

Deixe um comentário