1º caminhão brasileiro com propulsão nas quatro rodas

A Mercedes-Benz do Brasil S. A. apresentou, no ano de 1960, o primeiro caminhão brasileiro com propulsão nas 4 rodas. Tratava-se dos LAP /LAPK/ LAPS, 321, que, foram testados com enorme sucesso em demonstração pública efetuada na então Fazenda Santa Rita, no Monte Alegre.

Os caminhões já haviam sido produzidos na Alemanha, mas naquele ano eram incluídos na produção da Mercedes-Benz do Brasil S. A..

Segue abaixo os detalhes, na reportagem feita pela Revista Mirante, em 1960.

O LAP 321, dos três chassis, o mais apropriado para o transporte da cana, deu mostras de suas excepcionais qualidades de maneabilidade e resistência em terrenos acidentados e em duríssimas condições de trabalho, como acontece quando o veículo tem de manobrar na palhaça para a coleta da cana.

A tração nas 4 rodas, seu melhor característico, foi a atração principal da referida mostra, e veio confirmar o que já era previsto: o moderno transporte pesado não pode prescindir desta utilíssima inovação. Acreditamos mesmo que em futuro próximo, toda a lida da cana será feita com caminhões que tenham tração nas 4 rodas. E então a Mercedes-Benz poderá orgulhar-se de sua primazia. Nos dias de chuva, a vantagem da referida tração ainda mais se acentua, pois o novo Mercedes-Benz, logicamente terá maiores possibilidades de não encalhar, onde encalha um caminhão comum.

O LAP 321 apresenta maior rentabilidade no serviço, quando funciona puxando a carreta. Nestas condições ele tem capacidade para 11 toneladas de carga assim distribuídas: 6 toneladas no chassis e 5 toneladas na carreta.

A capacidade de carga máxima do chassis do LAP 321 (com cabine -e sem carroceria) é de 7.050 Kg. O peso do chassis com cabine é de 3.450 Kg. e o peso total admissível é de 10.500 Kg. Possui motor Diesel de 6 cilindros em linha e de 120 H.P. A distância entre eixos é de 4,20 mts. Possui caixa de câmbio com 5 marchas sincronizadas para a frente e uma marcha a ré e reduzida que liga automaticamente ao ligar-se o eixo dianteiro. Freio de pé hidráulico, nas 4 rodas, com auxílio de ar comprimido. Pneus dianteiros simples e traseiros duplos 9,00 x 20. Voltagem do equipamento elétrico, 12 volts. Assentos ajustáveis na cabine. Consumo de combustível, desde que o veículo seja submetido a regime normal de trabalho, 16,4 litros/100 Km e velocidade máxima de 76 Km p/h.

Convém ressaltar a notável economia de combustível dos motores Diesel, fator de grande importância no barateamento do carreto da cana, já por si tão oneroso. A durabilidade, a robustez, a fácil manutenção e o fato do motor trabalhar em baixa temperatura, assegurando lhe vida útil muito mais longa. Seu sistema patenteado de combustão na antecâmara em fluxo contínuo, permite o aproveitamento total do combustível.

O LAP 321 apresenta-se com 2 carretas, ambas com freio a ar, sendo uma com pneus comuns 9,00 x 20 e outra com pneus balões.

Os novos LAP são veículos que tanto desempenham bem suas funções em trajetos curtos, como nos longos. Nos terrenos acidentados, principalmente quando carregados, é necessário usar a tração nas 4 rodas. Nos trajetos longos entretanto, onde há necessidade de maior velocidade, desliga-se a propulsão dianteira.

O LAPK 321, chassis para basculante ideal para as Usinas de Açúcar, que na entre-safra poderão utilizá-lo em serviços de construções, transporte de terra etc. além do carreto na época da safra. Este chassis tem 3,20 mts. de distância entre eixos. Sua cabine com chassis pesa 3.400 Kg. A capacidade de carga máxima do chassis (com cabine e sem carroceria) é de 7.100 Kg. O peso total admissível é de 10.500 kg.

O LAPS 321, chassis para cavalo mecânico tem as mesmas dimensões e capacidades do LAPK.

O LAP 321 é o ônibus ideal para as péssimas estradas de terra que temos por aí.

Deixe um comentário