Fazenda Capuava

…sótão e porão no estilo de chalé…

 A Fazenda Capuava, com seus 580 alqueires, demonstra ainda um antigo programa de fazenda de café, terreiros, tulha, paiol, silo, colônia, casa-sede e grande lago que estão integrados na propriedade localizada no eixo Piracicaba-Rio Claro.

A primitiva proprietária, Maria Martins de Melo, consta na Reação das fazendas de café, dos Ofícios Diversos da Câmara Municipal de Nova Constituição, com a produção de 2.000 arrobas de café, 1861.

A casa-sede, do fim do século XIX, com padrão construtivo diferente das demais da região, apresenta três etapas de construção. A primeira, parte fronteiriça com sótão e porão no estilo de chalé, reflete a origem dinamarquesa do proprietário da época, Cristiano Mathiessen.

A propriedade rural foi cafeeira até janeiro de 1917, conforme livro Conta Corrente, do arquivo da fazenda; nele consta o contrato de limpeza de 3.466 pés de café, a 20 mil réis. Nesta mesma época é organizada a Usina Capuava. A orientação técnica dada por Cristiano Matthiessen foi um empreendimento industrial dos mais avançados. Em 1921, a cultura da cana de açúcar já conhecia a mecanização agrícola, fato pioneiro para a época. Em 1924 surge, ai lado da usina de açúcar, a de pás carbônico, a partir da fermentação do caldo de cana, de feição pioneira no Brasil. Com o abandono, a partir de 1945, da fabricação do açúcar, a Usina Capuava passou a produzir aguardente e gás carbônico.

1 comentário

  1. Rudolfo Horner em 16/09/2015 às 21:33

    Que tal um piracicabano nascido na Fazenda Capuava ha quase 80 anos , não achar fotos da fábrica ,do lago , nem do chalé de que fala artigo ?
    Rudolfo .

Deixe um comentário