Mercosul: Sud Mennucci enxergou antes

Piracicaba como “Portal do Mercosul” tem sido alardeada por políticos dos mais diversos partidos, sem que nada de concreto surja ou se revele. Tanto se falou e ainda se fala no tema, incluindo a grande hidrovia que surge como aspiração, que o tema parece ser uma novidade surgida no final do século XX, ainda tão próximo de nós. Tudo se mostra como se fosse descoberta atual, numa impressão epidérmica de uma realidade muito maior. Mas novidade não é. E essa certeza de destino de Piracicaba nos acompanha há muito mais tempo do que julgam os políticos atuais. Sud Mennucci foi o profeta dessa aspiração que nos acompanha há décadas.

O Almanaque de Piracicaba de 1936, organizado por Mário Neme, faz referências à antevisão de Sud Mennucci, da “confluência do Piracicaba no Tietê, a Mesopotamia Paulista.” Sud Mennucci dizia: “Quiseram os bons fados de Piracicaba que ela ficasse encravada no caminho que é o trajeto mais curt6 entre S.Paulo e Bauru, isto é, entre S.Paulo e Mato Grosso, o que quer dizer entre o Atlântico e o Pacífico, via Estado de São Paulo.” E Sud Mennucci lembrava o que o jornal “Estado de São Paulo”, o “Estadão”, escrevia e antevia: “A ‘Noiva da Colina’ terá que se tornar um centro, uma espécie de capital de toda uma grande e vasta região.” A profecia era devida à inauguração do ramal da Estrada de Ferro Paulista, Nova Odessa-Piracicaba, depois criminosamente desativada. Piracicaba era a “Mesopotâmia Paulista”.

Já naquela época, 1935/36, tratava-se de uma “questão nacional, cuja maior dificuldade consiste em se escolher qual dos três caminhos é o melhor: diretamente de Piracicaba a Bauru, de Piracicaba a Pederneiras, ou ainda à estação de Campos Salles, via Barra Bonita. Fica, a região, ligada em cruz.”

No ano 2006, a profecia se mantém ainda como expectativa e Piracicaba continua sendo, apesar da impotência e da fragilidade de lideranças políticas, a Mesopotâmia Paulista: a hidrovia, que abrirá o caminho do Mercosul, terá o seu “ponto zero” em Piracicaba. E passa por Pederneiras. (V. “Piracicaba, Documentário”, 1936, Organizado por Mário Neme, Edição de João Fonseca.)

N.A.. – Mesopotâmia é a região asiática, historicamente localizada entre os rios Tigre e Eufrates. Por extensão, são “mesopotâmicas” as regiões que se localizam entre rios. A expressão-figurada de Sud Mennucci, de Piracicaba ser a “Mesopotâmia Paulista”, se deve à nossa localização entre os rios Piracicaba e Tietê, situação privilegiada no Estado de São Paulo.

Deixe uma resposta