Elias Rocha, o Elias dos Bonecos (3)

Como observou Nordahl C Neptune em sua tese, a maioria dos bonecos de Elias esboçava um sorriso, o que de certa maneira, refletia o bom humor característico de seu criador.

O autor da tese continuou descrevendo o processo de criação dos bonecos de Elias Rocha. Após a elaboração da estrutura e da máscara do boneco, a próxima etapa era a vestimenta. A diferença entre bonecos e bonecas estava nas roupas, acessórios e também no enchimento, feito de palha ou jornal, que Elias colocava de forma acentuada, nos seios e nádegas das bonecas.

O tempo de construção de um boneco variava de três a quatro horas, podendo medir de 0,5m a 1,0m (boneco criança), 1,5m a 2,0m (boneco adulto) ou mais de 2,0m de altura (boneco gigante). Apesar da elaboração dos bonecos seguir um certo padrão, sempre foi possível observar traços diferentes, que variavam de acordo com o estado de espírito de Elias, das suas condições de trabalho ou do material utilizado.

Os tipos mais comuns de bonecos:

– Bonecos do Divino: representam os marinheiros da Irmandade do Divino de Piracicaba.

– Boneco Judas: em exposição permanente na Casa do Povoador, e fabricado por Elias, para as crianças se divertirem no Sábado de Aleluia.

– Bonecos pescadores: são os piracicabanos que habitam a barranca do rio.

– Boneco Espantalho – utilizados em hortaliças de ranchos e chácaras da cidade e região.

– Bonecos trabalhadores ou operários: identificados por usarem na cabeça, bonés, chapéus de palha e capacetes de trabalhadores da construção civil.

– Bonecos de Presépio e Boneco Papai Noel: expostos na época natalina.

– Bonecos carnavalescos – enfeitam a Rua do Porto na época do carnaval ou em exposições na Casa do Povoador.

Deixe um comentário