O Papel Pioneiro de Piracicaba na Construção Fabril na Província de São Paulo (X)

Figura 01: A Krähenbühl, com seus funcionários no início do século XX. Arquivo Museu Prudente de Moraes.

Figura 01: A Krähenbühl, com seus funcionários no início do século XX. Arquivo Museu Prudente de Moraes.

Uma das cidades com maior território em São Paulo no século XIX, Piracicaba teve importantes ciclos econômicos representados pela agricultura policultura, agroindústria e indústria diversificada, apesar das queixas de isolamento pela ausência ou precariedade de linhas férreas.

Profissionais com formação europeia e de destaque estadual e nacional contribuíram para a instalação dos complexos fabris e de infraestrutura urbana legando importantes sistemas construtivos e industriais para o patrimônio cultural de Piracicaba.

O caráter pioneiro de Piracicaba na industrialização paulista nos setores metalúrgico, agroindustrial, têxtil, alimentícia e de abastecimento, cuja relevância é pouco divulgada, resultou em um desenvolvimento que também se aliou ao ensino especializado, representado pela ESALQ USP.

Até a década de 1960, Piracicaba ainda era um dos mais notórios polos industriais do país e depois a produção decaiu, tendo sido recuperada na década seguinte com a instalação de multinacionais, e após novo período de baixa, vive seu terceiro ciclo industrial, com a implantação de novas multinacionais de grande porte.

O conjunto fabril edificado às margens do Rio Piracicaba configura uma das mais importantes paisagens culturais de Piracicaba, no entanto sua utilização e preservação precisam de melhores definições. Se por um lado o Poder Público tem procurado investir nos remanescentes do antigo Engenho Central e Empresa Hidráulica com projetos de caráter cultural, ainda falta uma definição de políticas de preservação que garantam a preservação de conjuntos edificados como o da antiga Fábrica de Tecidos que, sendo de propriedade particular corre sérios riscos de descaracterização. O atual período de valorização da economia industrial na cidade tem produzido sensíveis alterações na paisagem edificada de Piracicaba, principalmente nos bairros centrais, onde a especulação imobiliária tem alcançado grande êxito frente às iniciativas preservacionistas.

Marcelo Cachioni
Diretor do Departamento de Patrimônio Histórico do IPPLAP Piracicaba-SP
Professor de Patrimônio Histórico na ASSER Rio Claro-SP e Técnicas Retrospectivas na FIEL Limeira-SP

Bibliografia:

BURCHARD, John & BUSH-BROWN, Albert. A Arquitetura dos Estados Unidos – Uma História Social e Cultural. Trad. Octávio Mendes Cajado. São Paulo: Editora Cultrix, 1969.
CACHIONI, Marcelo. Arquitetura Eclética na Cidade de Piracicaba. Dissertação de Mestrado. Campinas: PPG FAU PUC Campinas, 2002.
COSTA, Luiz Augusto Maia. O Ideário Urbano Paulista na Virada do Século. O Engenheiro Theodoro Sampaio e as Questões Territoriais e Urbanas Modernas (1886-1903). (Dissertação de Mestrado). São Paulo: USP, 2001.
ELIAS NETTO, Cecílio. Almanaque 2000. Memorial de Piracicaba Século XX. Piracicaba: Editora Unimep, 2000.
GAZZOLA, Cristiane G. Testemunha da História. In: Revista Campo e Cidade. Itu: Agosto/Setembro, 2004.
GUERRINI, Leandro. História de Piracicaba em Quadrinhos. 2 volumes. Piracicaba: IHGP, 1970.
_________________. Arthur Drysdem Sterry. Nomes que a Cidade guardou. In: Jornal de Piracicaba. Piracicaba: 20 de janeiro de 1985.
KIEHL, Edmar José. Vida e Obra de Luiz de Queiroz. In: ESALQ 75. 1901 – 1976: 75 anos a serviço da Pátria. Piracicaba: Editora Franciscana, 1976.
PINTO, Silvio Barini & ZENHA, Celeste. Imagens da Memória Postal de Piracicaba (Catálogo). Piracicaba: 1990.
ROTELLINI, Vitaliano (Editor). Il Brasile e gli Italiani. (Pubblicazione del Fanfulla). Florença: R. Bemporad & Figlio, 1906. p. 507.

Deixe um comentário