A HISTÓRIA QUE EU SEI (XXXI)

Reação de D. Ernesto
D. Ernesto de Paula, Bispo de Piracicaba, tornara-se pessoa com grande trânsito entre as elites dirigentes de Piracicaba. Quando da morte do Papa Pio XII, D. Ernesto fora a Roma e, em seu retorno, foi-lhe oferecido um elegantíssimo jantar, onde estiveram presentes os principais empresários piracicabanos. Diante da candidatura de Domingos José Aldrovandi, a reação de D. Ernesto de Paula foi de absoluta rejeição. Aldrovandi era, afinal de contas, um convicto e praticante metodista e fora para se opor ao Metodismo que D. Ernesto criara até mesmo uma escola em Piracicaba, acolhendo os salesianos. E, por outro lado – para agravar ainda mais a situação – Aldrovandi, em uma discussão no plenário da Câmara Municipal, houvera cometido profunda ofensa à devoção maior dos católicos, Nossa Senhora, chamando-a de “Mariazinha”. A imprensa publicou a grosseria, as reações foram imediatas de indignação e um dos padres da Igreja Católica, Monsenhor Cecílio Coury, passou a fazer campanha aberta e cerrada contra Domingos José Aldrovandi.

A posição de D. Ernesto de Paula era inflexível de não aceitar a candidatura de Aldrovandi, levando-o a estremecimentos em sua amizade com Luciano Guidotti.

Por outro lado, Salgot Castillon tinha toda a simpatia da Igreja e dos católicos, por sua origem católica e por ter sido criado, desde a sua chegada de Barcelona a Piracicaba, por seu tio, Monsenhor Martinho Salgot. De um lado, afinidades naturais; de outro, rivalidades e mágoas. A posição de D. Ernesto de Paula foi contestada, pois os não católicos não admitiam a sua ingerência, e as lideranças maçônicas aliavam-se ainda mais a Luciano Guidottí. Enquanto isso, aumentava o apoio popular a Salgot Castíllon, que já se havia manifestado nas eleições de 1958. Assim, cada vez mais isolados, Domingos Aldrovandi e Humberto D’Abronzo não tiveram outro caminho senão o de renunciar às suas candidaturas, a 31 dias das eleições.

Substituindo Aldrovandi, lançou-se candidato o médico Antonio Cera Sobrinho, levado por seu quixotismo, não admitindo que Salgot Castillon se tomasse, agora, candidato único. A votação do dr. Cera foi expressiva, mas insuficiente para derrotar Salgot Castillon que, apoiado por uma coligação ideologicamente esdrúxula – UDNPSB-PTB-PSP-PSD- PTN – se elegeu prefeito, tendo como vice João Batista Vizioli (PSP), um advogado de prestígio. Essa coligação, mosaico ideológico e colcha de retalhos partidária, iria criar sérios problemas para Salgot Castillon, logo ao chegar à Prefeitura.

Nas eleições de 1959, Piracicaba se via dividida, novamente, entre duas forças antagônicas, hostis entre si mesmas: o “guidotismo”, tomado quase místico com Luciano Guidotti e com apoio na classe média; o “salgosismo”, uma nova corrente populista surgida das umas. E, surpreendendo a muitos, D. Ernesto de Paula renunciava ao episcopado.

Deixe um comentário