Ana Batista, que morreu com 130 anos

Nas pesquisas feitas pelo historiador Leandro Guerrini, nas atas e livros da Câmara Municipal de Piracicaba, constam nomes de ancestrais piracicabanos que se tornaram desconhecidos das gerações deste século 21. Um deles, de pessoa anônima, é o de Ana Batista, que se tornou destaque pelo fato de, no dia 20 de julho de 1.890, ter vindo a falecer com a idade de 130 anos, conforme ata na Câmara e segundo Leandro Guerrini.

Ana Batista faleceu de influenza, e era filha de Tomé de Oliveira e Maria Batista, casal cuja história se perdeu ao longo do tempo. Segundo Guerrini, o registro está no livro de óbitos relativos ao ano de 1.890, à página 22, verso, sob número 308.

Deixe um comentário