Aquilino José Pacheco

É o mesmo que dá o nome à Rua interceptada pelo Estádio “Barão de Serra Negra”, no bairro da Cidade Alta, local. Há um Relatório do Intendente Municipal (ele o foi), do começo de século, onde constam todos os seus trabalhos, em beneficio da cidade. Aquele cargo seria correspondente ao de preboste, alcaide, prefeito municipal.

Os Pacheco são descendentes daquele homem probo, caritativo, pio, que viu passar a Abolição da Escravatura, a implantação da República, a passagem do século XIX para o XX..

Piracicaba de 1901/1905 era uma vilota, que vinha crescendo da Rua da Praia para a Igreja da Matriz de Santo Antônio. No primeiro lance havia pouco mais que a Rua Santo Antônio, a Rua Nossa Senhora da Boa Morte.

O Cemitério (da Saudade) viria a ser inaugurado em 1906, figurando naquele Relatório. Talvez, porque ali já estivesse sido sepultado Prudente José de Moraes Barros (1903).

Aquilino José Pacheco empenhou-se no término das obras da Esalq, que também, ocorrera oficialmente em 1903. Ele encaminhou vários ofícios à presidência da Companhia Paulista de Estradas de Ferro, que estendessem o tronco à Piracicaba e levado a Rio Claro, em 1905. O ramal aqui só chegou em 1922!

Teve companheiros infatigáveis: Fernando Febeliano da Costa (16 anos prefeito), José Ferraz de Carvalho (“Coronel Passa Quatro”), Ignácio da Motta Pacheco (coronel) e, anteriormente, Luiz Vicente de Souza Queiroz. Ao depois, José Rodrigues de Almeida, que implantou em 1929, o Serviço de Tratamento de Água.

Não se conhece nenhuma colaboração efetiva de João (Domingues) Sampaio, genro de Prudente, rioclarense e já autoridade mandatória naquela Companhia.

Deixe um comentário