Eurípedes Malavolta (13/08/1926 – 19/01/2008)

O Prof. Eurípedes Malavolta nasceu em Araraquara, SP, formou-se Engenheiro Agrônomo pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz em 1948, foi professor da ESALQ de 1949 a 1984 e Pesquisador Permissionário do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA) de 1984 a 2008, sempre com atividades de ensino e pesquisa em Nutrição Mineral de Plantas, Fertilidade do Solo, Agricultura e Ecologia.

Foi Diretor da ESALQ de 1964 a 1970, onde implantou os primeiros cursos formais de pós-graduação da América Latina (1964-1970) ao nível de Doutorado em Ciências Agrárias. Foi também Diretor do Instituto de Física e Química de São Carlos, USP de 1972 a 1975. Foi representante do Brasil, em Genebra, para a Conferência das Nações Unidas sobre Ciência e Tecnologia em Benefício das Áreas Menos Desenvolvidas (1963), membro eleito da Academia Brasileira de Ciências (1964), Medalha do Jubileu do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico CNPq (1981), Prêmio Moinho Santista de Agronomia (1982), Medalha Fernando Costa da Sociedade Paulista de Agronomia (1991), membro honorário da Sociedade Colombiana de Ciência do Solo (desde 1993), membro honorário da Sociedade Brasileira de Ciência do Solo (desde 1995), Pesquisador homenageado pelo FUNDECITRUS (1997) e membro da Third World Academy of Sciences (TWAS), desde 1998.

Ex-professor da Esalq faleceu em 19 de janeiro de 2008 Recebeu a Ordem Nacional do Mérito Científico (1998), foi homenageado na ESALQ por seus 50 anos de Ensino e Pesquisa Sistemáticos em Nutrição de Plantas em 2003, foi homenageado nos 70 anos da USP (2004) como personalidade mais representativa da ESALQ, recebeu o título de Cidadão Piracicabano (2004), Prêmio da International Fertilizer Industry Association (IFA-2005), Prêmio Clio da Academia Paulistana de Letras (2005), título de Engenheiro Agrônomo Emérito da Associação de Engenheiros Agrônomos do Estado de São Paulo (2006) e a Medalha Antonio Carlos Moniz, outorgada pela Sociedade Brasileira de Ciência do Solo em 2007.

Participou de 169 reuniões científicas no Brasil e no exterior; orientou 40 Mestres e 53 Doutores. Tem 45 livros publicados – em português, espanhol, inglês e hindi e reúne 823 trabalhos de pesquisas, publicados no Brasil e no exterior.

Com tão extensa participação e reconhecimento da sociedade, é repetitivo destacar e ressaltar a importância do Prof. Malavolta para a Agricultura Brasileira.

Com sua morte, em 18/01/2008, as comunidades piracicabana e de cidades vizinhas expressaram seu reconhecimento à família pela vida do Prof. Malavolta.

*Antonio Roque Dechen é Diretor da ESALQ

Deixe um comentário