Estação e ponto chique

Estação e ponto chique

A conquista do ramal da Estrada de Ferro Paulista a Piracicaba, foi verdadeira epopeia comandada, desde o final do século 19, pelos Moraes Barros. Os maus serviços da Ituana indignavam os piracicabanos e, finalmente, sob o comando de Paulo de Moraes Barros, deu-se a realização de um dos grandes anseios da comunidade, em 1922. O acontecimento se tornou memorável, com solenidades que reuniram a nata da sociedade paulista.

A Estação da Paulista mudou hábitos, costumes e realidades sociais dos piracicabanas. Tornou-se chique ir à estação, aguardar chegada e saída do trem, especialmente quando da visita ou da despedida de personalidades do mundo político, intelectual e artístico. Morar no bairro da Paulista se tornou coqueluche da sociedade piracicabana e o jornalista Leandro Guerrini, à época, escrevia que era o local preferido para se morar, o mais chique e rico. Na foto, da década de 1920, a presença de piracicabanos com seus trajes de festa e de comemorações.

2 comentários

  1. Celina em 19/11/2021 às 15:11

    Lindas fotos,mais gostaria de saber onde o trem passava?

    • Patrícia Elias em 29/01/2022 às 12:17

      Olá, Celina, grata por acompanhar nosso site.

      Segundo o jornalista e escritor Cecílio Elias Netto:
      O ponto de início / término do roteiro do trem era onde está a Estação Paulista – em frente à Rua Boa Morte. A partir de lá, descia em direção à Av. Rio das Pedras, atravessando-a, e seguia rumo a Tupi e Caiubi (na cidade de Santa Bárbara d’Oeste). Antes, o trem passava pelo Taquaral, onde hoje está a Unimep, para alcançar Santa Bárbara. Depois continuava até a cidade de Nova Odessa, onde fazia baldeação para Campinas e São Paulo.

      Cecílio lembra, ainda, que o prof. Almir de Souza Maia, antigo reitor da Unimep tentou recuperar o uso do trem num trajeto urbano, entre a Estação Paulista até a Unimep, no Taquaral. Mas não teve apoio para consolidar esta iniciativa.

      Um abraço, Patrícia

Deixe uma resposta