Galesi

 

 

Foto pertencente à família Provenzano. Nela, aparece o mítico Terêncio Galesi, um dos primeiros banqueiros de Piracicaba e um dos homens mais ricos da região. A casa bancária, que depois se transformou no maior armazém da região, estava situado à rua Prudente de Moraes, onde estão os escombros do prédio atualmente de propriedade do empresário de turismo, Nelson Carrano Torres.

No interior do prédio, Galesi esmerou-se nos detalhes, com material importado da Inglaterra, como as grandes colunas de ferro que sustentam o piso superior. Havia, ligando a rua Prudente à São José, trilhos por onde corriam carriolas transportando sacos de mercadoria. No andar superior, instalou-se a primeira sede do Centro Acadêmico Luiz de Queiroz. E, por muitos anos, o andar térreo abrigou as instalações do jornal “Diário de Piracicaba”, depois “O Diário”.

5 comentários

  1. Nilza em 25/08/2013 às 02:21

    Meu avô Terenzio Galesi aparece do lado direito desta foto q está cortada….

  2. Edy ilton Rizzi em 04/09/2013 às 21:43

    NA VERDADE ESTE PRÉDIO FOI TOMBADO E ATUALMENTE FUNCIONA O BANCO HSBC (RUA PRUDENTE DE MORAES)

  3. Márcia Galesi Abdala em 25/06/2014 às 20:54

    Meu avô Ítalo Galesi filho de Terenzio Galesi é este jovem ao lado esquerdo da foto , esta foto está cortada pois meu bisavô que está na foto original não está aparecendo .

  4. Amadeu Provenzano Filho em 22/03/2018 às 22:40

    Quando o texto diz: Foto pertencente a Família Provenzano, ela na verdade foi encontrada sob o colchão, “escondida”, digamos, protegida embrulhada entre cobertores sôbre o estrado, juntamente com fotos e documentos da família Galesi e que foram cuidadosa e secretamente por minha tia Julietta Galesi, filha de Ermete Galesi, prima e ao mesmo tempo sobrinha de Terenzio Galesi. Enquanto Terenzio era primo de Ermete, tornou-se cunhado de Ermete – casou-se com Virgínia Ferrari, irmã de Maria Ferrari, esposa de Ermete. Parece complicado mas não é. Toda essa documentação histórica da família Galesi que imigrou de Mântova – Comuna de Vicenzo na Itália, e que chegou ao Brasil em 05 de fevereiro de 1888, hoje faz parte do acervo histórico que está prestes a se tornar livro e que conta a história da fundação do Bairro da Pompéia e não Bairro Pompéia como dizem. Da Pompéia porque da Pompéia da Itália, de onde veio a devoção de Nossa Senhora do Rosário de Pompéia. Amigo, Cecílio Elias Neto, incentivou-me a me apresentar ao IHGP – Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba para dar andamento ao processo do livro que contará com foto da carta do Prefeito de Mântova em novembro de 1887 que pedia para os Galesi não deixarem a Itália, o que não aconteceu, com a árvore genealógica a partir de 1692, com foto do beato Bartolo Longo que pediu a Ermete que construísse um santuário devotado a N. Sra. do Rosário, com benção apostólica original do papa São Pio X datada do ano de 1911, do Papa Pio XII, e muitos outros documentos de importância histórica na contribuição dos italianos para o desenvolvimento da nossa cidade de Piracicaba. 22.03.2018.

  5. Amadeu Provenzano Filho em 22/03/2018 às 22:42

    onde se lê cuidadosa e secretamente por minha tia …, leia-se: cuidadosa e secretamente guardados por minha tia …;

Deixe uma resposta