Depoimento: a Piracicaba de Eleni

“Eu nasci em Mombuca, cidade com pouco mais de 4.000 habitantes, a cerca de 30 km de Piracicaba. Em 1991, chegou o momento de deixar a minha cidade natal, afinal, chegou a hora de cuidar da vida, procurar emprego, sair da barra da saia da mamãe (risos). E Piracicaba foi o local escolhido. Desde pequenininha, quando vinha com minha mãe visitar parentes ou a uma consulta médica, sabia que era aqui que queria viver. Tudo era desafiante – passar pelo túnel da antiga rodoviária, cruzar a avenida Armando de Salles Oliveira, que ainda não era remodelada, o Mercadão – e fascinante – tantos prédios, tanta gente…

Os cartões-postais, o rio, o Engenho Central, a Rua do Porto, o Parque da Rua do Porto são locais onde me sinto muito bem. É senso comum e não dá para ignorá-los. Mas tem uma paisagem que amo muito, que é a vista da cidade da avenida Presidente Kennedy. É linda. Também sou apaixonada pela Zona Rural de Piracicaba, pelos cenários do Nova Suíça, do Tanquan, Monte Branco, Pau D´Alhinho. Esse contraste entre o desenvolvimento e a simplicidade, que ainda persiste, é incrível.

Sobre pessoas que admiro. É uma grande lista, que não caberia aqui. O que essa terra tem que as outras não têm? Um rio que a corta. Em minha opinião, esse detalhe faz toda diferença e é responsável por toda essa energia que quem vive e quem a visita capta.

Outro ponto que destaco e que cabe muito bem aqui é a riqueza cultural dessa cidade. Salões de arte, como o de Aquarelas, o Belas Artes, o SAC, Salão Internacional de Humor, que acabou de ser aberto. Temos o Sesc aqui, que oferece inúmeras atividades culturais. E o que é melhor ainda: a maioria das atrações é oferecida gratuitamente.

Piracicaba é algo vivo. Em constante mudança. E precisa melhorar em muitos aspectos, conforme cresce. Mas um deles, particularmente, me chama a atenção: é preciso mais cuidado com o meio ambiente. E esse cuidado maior se deve justamente pela presença de um rio que corta nossa cidade. Por conta disso, parece que a falta de verde em alguns pontos, ou o lixo jogado em locais indevidos, fica mais aparente, mais latente.” (Eleni Destro, jornalista)

 

Piracicaba

Foto ilustrativa: Cynthia da Rocha

Neste semestre, comemoramos os 250 anos de Piracicaba, dos quais A Província tem registrado mais de 10 em sua versão eletrônica. Há 30 anos também já existia seu formato impresso e, há cerca de 60, o jornalismo de Cecílio Elias Netto – que se dedicou, mais que tudo, a contar a história desta cidade.

Agora,  A Província quer ouvir a “sua história de Piracicaba”, o olhar de cada um sobre o passado, o presente e o futuro da cidade! Envie seu depoimento para o e-mail [email protected], ou registre aqui mesmo nos comentários, com seu nome completo, idade e profissão.

Participe e também faça parte desta história!

Deixe um comentário