Piracicaba lembra um mês sem Inezita Barroso

Amigos e fãs da cantora Inezita Barroso participam na quarta-feira, 8, de missa em memória à eterna Dama Caipira. A celebração acontece na data em que completam-se 30 dias de sua morte e começa às 19h, na Igreja São Judas Tadeu (avenida Independência, 3.747).

“É uma forma singela de retribuirmos o carinho que a Inezita tinha por Piracicaba e recordarmos as boas memórias a nós deixadas”, diz o engenheiro agrônomo José Carlos de Moura, amigo da cantora desde a década de 50, quando ainda residia em São José dos Campos, sua cidade natal. Ao mudar-se para Piracicaba, na década de 60, ele tornou-se anfitrião de Inezita nas visitas à cidade.

Segundo Moura, foram elaborados postais com a inscrição “Quanta saudade você me traz”, a serem distribuídos na homenagem. O verso faz referência a uma das músicas eternizadas na voz de Inezita, Lampião de Gás, composta por Zica Bergami. “A frase sintetiza o sentimento que ficamos com a sua partida.”

A morte de Inezita Barroso aconteceu quatro dias após seu aniversário de 90 anos. Ela apresentou por 35 anos o programa Viola, Minha Viola, na TV Cultura, palco em que recebeu vários amigos de Piracicaba, ente eles Tonico e Tinoco, Abel Bueno, Moacyr Siqueira, Roberto Seresteiro e César e Paulinho.

O Teatro Municipal Erotídes de Campos, no Engenho Central, abrigou o último show de Inezita na cidade, em 8 de novembro de 2013. Na ocasião, além de apresentar o espetáculo Trajetória ao lado do Regional do Tico-Tico, ela tornou-se Cidadã Piracicabana, por meio de título entregue pela Câmara. Inezita também esteve na Casa de Espetáculos em 4 de maio do mesmo ano e o seu show ganhou registro em DVD.

Ainda em 2013, a cidade a acolheu outras duas vezes: em 20 de junho, no Sesc, onde fez o show Festa na Roça, e em 6 de setembro, no Teatro Erotídes de Campos, para a apresentação de Clássicos da Música Caipira, na abertura do 4º Cultura e Movimento na 3ª Idade.

Na discografia de Inezita, composta por quase 100 discos, Piracicaba é lembrada em vários momentos. Ela gravou, em 1975, o álbum Inezita em Todos os Cantos, e incluiu Temas de Cururus, a partir de pesquisa na cidade. Em Joias da Música Sertaneja, disco de 1980, está Piracicaba, de Newton de Almeida Mello, canção que integra também Raízes Sertanejas, de 1999. Já a música Rio de Lágrimas, de Lourival dos Santos, Piraci e Tião Carreiro, abre o LP Clássicos da Música Caipira, de 1972.

Também foi no Viola, Minha Viola que Inezita exaltou a cultura piracicabana. Em maio de 2003, ela gravou seu programa às margens do rio Piracicaba. Além disso, em 1956, assistiu a apresentações folclóricas para uma de suas pesquisas sobre a cultura caipira, sendo recepcionada pelo folclorista João Chiarini, que presidia o Centro de Folclore.

Deixe uma resposta