Greve dos bancários tem 80% de adesão na região

greve-dos-bancarios

A greve dos bancários chega ao 15º dia com 80% de adesão na região de Piracicaba. Após oito rodadas de negociações sem acordo, segundo o Sindicato da categoria (SindBan), a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) não apresentou nova proposta e insistiu no oferecimento de índice de 7%, abaixo da inflação, e abono de R$ 3,3 mil.

De acordo com o SindBan, 98% das agências continuam com as atividades paralisadas em Piracicaba. Ainda segundo a entidade, alguns bancos da cidade tentaram abrir as agências nos dias 16 e 19 de setembro, mas o movimento grevista impediu ação e realizou ato em frente à unidade da Praça José Bonifácio. Não houve desentendimento.

Na região de Piracicaba, há 14 cidades com agências fechadas como Águas de São Pedro (SP), São Pedro (SP), Charqueada (SP), Saltinho (SP), Cerquilho (SP), Laranjal Paulista (SP), Conchas (SP), Santa Bárbara d’Oeste (SP), Rio das Pedras (SP) e Capivari (SP).

Reivindicações
Os bancários querem reposição da inflação do período mais 5% de aumento real, valorização do piso salarial, no valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$ 3.940,24 em junho), PLR de três salários mais R$ 8.317,90, além de outras reivindicações, como melhores condições de trabalho.

Atendimento
A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) lembra que os clientes podem usar os caixas eletrônicos para agendamento e pagamento de contas (desde que não vencidas), saques, depósitos, emissão de folhas de cheques, transferências e saques de benefícios sociais.

Nos correspondentes bancários (postos dos Correios, casas lotéricas e supermercados), é possível também pagar contas e faturas de concessionárias de serviços públicos, sacar dinheiro e benefícios e fazer depósitos, entre outros serviços.

Greve passada
A última paralisação dos bancários ocorreu em outubro do ano passado e teve duração de 21 dias, com agências de bancos públicos e privados fechadas em 24 estados e do Distrito Federal. Na ocasião, a Fenaban propôs reajuste de 10%, em resposta à reivindicação de 16% da categoria

Deixe um comentário