Hospital Unimed e Associação Ilumina encerram mutirão de pele

2-Luís Roberto Flores, Francisco Teixeira Mendes, Adriana Brasil, Carlos Joussef e Eduardo ZucchiMantenedora do corpo clínico da Associação Ilumina, a Unimed Piracicaba realizou no fim de semana passado (6/12) o último mutirão de pele nas salas ambulatoriais do Hospital Unimed. Nesse dia, foram realizadas 20 cirurgias e microcirurgias de pele, agendadas durante a 7ª Campanha Ilumina de Prevenção e Diagnóstico Precoce do Câncer, que aconteceu de 30 de outubro a 1º de novembro, na Estação da Paulista. O primeiro mutirão aconteceu no dia 22 de novembro, quando também foram atendidos 20 pacientes.

Este ano, a cooperativa médica ampliou o número de procedimentos, passando de 22 para 40. De acordo com o presidente da Unimed Piracicaba, Carlos Joussef, sua gestão prioriza, além da excelência no atendimento aos seus clientes, a participação ativa dos médicos em ações sociais. “Não medimos esforços para que os menos favorecidos possam ser assistidos. Afinal, para prevenir e cuidar da saúde é necessário rapidez e eficiência””, enfatizou.

Para a médica e diretora clínica da Ilumina, Adriana Brasil, o fato que chamou a atenção e preocupou a equipe na edição deste ano da campanha foi o grande número de pacientes com lesões avançadas, algumas com três anos. ““Mesmo numa cidade como Piracicaba, com acesso à informação, ainda existem pessoas que ficam escondidas em casa. Nos deparamos com uma grande quantidade de tumores avançados””. Diante dessa constatação, ela planeja uma nova estratégia para a campanha de 2015, com foco ainda mais direcionado à informação.

CASO

A diarista Adriana Neves Ribeiro, uma das primeiras a ser atendida na segunda etapa do mutirão, participou da triagem na Estação da Paulista, quando foram constatadas lesões no seio e ombro e, no sábado passado (6/12), realizou procedimentos para retirada. ““Nada como passar por profissionais que entendem. Precaução é tudo para garantir o futuro da nossa saúde””, disse a paciente, alertada por uma das voluntárias da associação para participar da campanha de prevenção.

Entre os médicos voluntários desse mutirão está o cirurgião plástico Eduardo Zucchi, que marcou presença pela primeira vez com vontade de cuidar daqueles que não tem acesso à assistência. ““O mínimo que a gente pode fazer é ajudar. Isso sem dizer que para o paciente é gratificante receber todo esse cuidado especial””, disse o especialista, que integrou a equipe formada também por Luís Roberto Flores e Francisco Teixeira Mendes.

A DOENÇA

O câncer de pele é considerado pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca) como o tipo de câncer mais comum no Brasil e chega a corresponder a 25% dos diagnósticos da doença. É mais frequente em adultos com mais de 40 anos, de pele clara e sensível ou que já apresentem doenças de pele, mas pode atingir pessoas de qualquer idade, mesmo de pele mais escura.

Para se prevenir da doença é indispensável atenção e cuidado com o sol e sempre observar manchas e machucados suspeitos na pele. “Em casos descobertos no início, a retirada da pinta ou nódulo já resolve o problema ou, então, uma cauterização. Mas o essencial é se expor o menos possível ao sol, principalmente das 10h às 16h, e o tempo em que estiver exposto, sempre usar o protetor solar. “O maior vilão da pele é o sol””, completou o dermatologista Jair Leite, médico cooperado da Unimed Piracicaba.

Foto: Mateus Lage/Unimed

Deixe um comentário