Livro comemora 50 anos da coluna Bom dia de Cecílio Elias Netto

10380294_843898468978191_1506675640643566353_n

O Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba (IHGP), com apoio da Prefeitura de Piracicaba por meio da Secretaria Municipal da Ação Cultural (Semac) lança o livro “Bom dia – crônicas do autoexílio e da prisão”, que comemora 50 anos da coluna Bom Dia do jornalista Cecílio Elias Netto. 

Cecílio Elias Netto é o pródigo jornalista de Piracicaba, cujo nome e trabalho são conhecidos e destemidos na imprensa local há mais de meio século. A destreza da escrita e a sensibilidade em refletir sobre o homem e a sociedade são características que tornaram o hoje editor do jornal online A Província um dos maiores formadores de opinião do País, afinal, suas críticas extrapolam as colinas piracicabanas. Muitas delas foram – e são – enveredadas na coluna ‘Bom Dia’, que completa 50 anos de publicação. Parte deste imprescindível acervo é editado pelo Instituto Histórico e Geográfico de Piracicaba (IHGP), em parceria com a Prefeitura do Município de Piracicaba, e apoio da Funerária Bom Jesus, em “Bom Dia – Crônicas do autoexílio e da prisão”. O livro será lançado no dia 30 de julho, quarta-feira, às 19h30, na Pastoral do Serviço da Caridade (Pasca).

O primeiro volume da compilação reúne crônicas escritas de 1979 a 1983, que de acordo com o próprio Cecílio e da organizadora Elaine de Lemos Elias são as mais significativas de um período, o do autoexílio e da prisão. Produzidas em tempos de prisão domiciliar, justamente enquanto lá fora a Ditadura Militar ostentava plenos e nebulosos poderes sobre o Brasil, os ‘Bom Dia’ deste recorte histórico discorrem sobre política, cotidiano, justiça e injustiças, amores vividos e sofridos, a abalada liberdade da época, a amargura, entre tantos outros temas. São profundas análises que dialogam direta e indiretamente com aquele conturbado momento.

Vitor Pires Vencovsky, o presidente do IHGP, acredita que Cecílio é uma fonte viva da história local e nacional e escreve com propriedade sobre o ser humano, como um notável representante piracicabano da corrente historiográfica História das Mentalidades – modalidade que se dedica ao estudo dos modos de pensar e sentir dos homens. “Mostra como se interpreta a realidade, mostra como a escrita pode ser simples e completa, o que deve ser escrito e quais valores determinam as comparações, as diferenças e os exemplos”, ele ressalta.

Ler Cecílio Elias Netto, em especial os ‘Bom Dia’, é sentir emoções, vislumbrar mudanças de uma cidade e um Brasil por meio de perspicazes análises elucidadas pelo escritor.  Vencovsky não tem dúvidas: o material desta publicação é relevante porque foram produzidas pelo maior jornalista de Piracicaba. “O papel dele de defensor de causas piracicabanas gerou, por exemplo, no ‘Almanaque de Piracicaba’, um dos livros mais procurados no IHGP, ou o ‘Dicionário do Dialeto Capiracicabano’, sua grande obra, conhecido em todo o País”.

O prefácio da obra é do jornalista Evaldo Vicente, diretor do quarentenário matutino A Tribuna Piracicabana, que por anos trabalhou ao lado e com Cecílio na imprensa local. Destaca o estilo peculiar e corajoso da escrita do cúmplice jornalista, que há de ser objeto de estudo para acadêmicos. “O bom é ler e sentir, num estilo forte, o que Cecílio Elias Netto desenvolve no texto como um todo, tal a facilidade com que desliza as palavras, os verbos, os adjetivos e substantivos, usando-os de forma bem particular, serena, tranquila e agressiva, se necessária”, enfatiza Vicente.

 

SERVIÇO

Lançamento do livro comemorativo ao 50º aniversário da coluna ‘Bom Dia’, do jornalista Cecílio Elias Netto, “Bom Dia – crônicas do autoexílio e da prisão”, dia 30 de julho, às 19h30, na Pastoral do Serviço da Caridade (Pasca). O livro pode ser adquirido pela troca de seis litros de leite longa vida ou R$ 20. Na avenida Comendador Luciano Guidotti, 166, bairro Higienópolis.  Informações: 3434-8811 ou [email protected].

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1 comentário

  1. Ana Maria Poli Conceicao Simao em 24/10/2014 às 03:06

    Gostaria muito de ler seu livro e saber mais sobre a histiria de Piracicaba.

Deixe um comentário