Parklet do IAT traz manifestações sobre uso do espaço urbano

SFParklet

A partir do dia 18, Piracicaba será palco de uma intervenção típica de grandes metrópoles, onde novos conceitos relacionados à convivência coletiva no espaço urbano são motivos de palestras, provocações artísticas e experimentos de arquitetos e ativistas ambientais. A iniciativa é do Instituto de Cooperação e Desenvolvimento Ambiente Total (IAT), com financiamento do Conselho de
Arquitetura e Urbanismo do Estado de São Paulo. Trata-se de um parklet – plataforma móvel sobre a rua, que amplia a extensão da calçada – a ser construído no bolsão de estacionamento do Mercado Municipal, com a finalidade de trabalhar criativamente a ideia de cidade integrada, a partir da articulação de propostas alternativas de mobilidade, agricultura e arte. O projeto está sendo desenvolvido com o apoio da Prefeitura de Piracicaba.

De acordo com a antropóloga ligada ao instituto, Lis Furlani Blanco, a intenção é criar um ambiente diferenciado, que ocupa no máximo duas vagas de estacionamento, onde as pessoas possam se encontrar no espaço público, para pensar a cidade numa perspectiva que vá além de suas políticas públicas e de planejamento urbano. “A intervenção vale como provocação para que as pessoas se reúnam de forma improvisada, em um ponto tradicional, que sempre foi de convivência coletiva, e percebam o quanto esse mesmo espaço foi transformado pelo tempo e pelo uso a ponto de se tornar estranho aos seus próprios usuários”.
No entender da antropóloga, este é um momento de reflexão sobre a vida nas cidades intensamente urbanizada, como Piracicaba, e possíveis alternativas para se restabelecer a condição de bem-estar social diante da tamanha complexidade.

Lis Furlani Blanco conta que os parklets são comuns no centro de São Paulo e funcionam como espaços confortáveis de convivência pública, mas que podem ser explorados pelos próprios comerciantes que os constroem como ponto de venda e de atendimento aos seus clientes. “É uma ideia que embeleza o espaço público e ao mesmo tempo tem uma finalidade prática e de retorno financeiro. Ou seja, amplia a eficiência do comércio”. Segundo ela, a questão de fundo é a construção de uma cidade para as pessoas. É a humanização das áreas centrais, voltada ao bem-estar, seguindo tese formulada pelo arquiteto e urbanista dinamarquês Jan Gehl, responsável pela requalificação do Time Square, nos EUA.

A previsão é que o espaço seja construído coletivamente no dia 18, neste sábado, e inaugurado com intervenções no dia 19, domingo. Deve permanecer durante pelo menos 15 dias em funcionamento, a depender da aceitação dos comerciantes do local. O IAT explica que o parklet será equipado de acordo com o projeto que será construído coletivamente na oficina de sábado. A finalidade é ampliar a
oferta de espaço público, promover convivência na rua, estimular processos participativos, incentivar transportes não motorizados e criar cenários novos para as ruas da cidade.

No dia 19, está prevista a participação da Bicicletada do Hip Hop. Mas o projeto é aberto a todos os interessados. Para saber mais detalhes, programação e se cadastrar é só entrar no site do instituto (ambientetotal.org.br) e enviar e-mail para contato@ambientetotal.org.br ou ligar: 19 3375-7772. Para mais informações: 99822-0301, com Lis.

Deixe uma resposta