Saúde alerta população sobre perigos da leptospirose

Transmitida por uma bactéria presente na urina dos ratos, a leptospirose ocorre com mais frequência com as chuvas. Embora Piracicaba tenha registrado um mês de janeiro atípico, com pouco volume de chuva, a Secretaria de Saúde alerta a população sobre os riscos da doença.

Em 2013, de acordo com a Vigilância Epidemiológica, foram notificados 111 casos da doença no município, sendo 18 confirmados. Em 2012, a VE recebeu 76 notificações, com 14 casos confirmados. Apesar do aumento no número de casos (28,6%), não foram registradas mortes pela doença nos anos de 2012 e 2013.

A doença não atinge apenas quem mora na periferia, pois o lixo reciclável jogado sem ser lavado – fator muito comum nas áreas mais próximas ao Centro – atrai os ratos. Trabalhadores da construção civil, do setor de reciclagem e moradores de áreas de risco de enchentes também estão mais expostos à contaminação.

De acordo com a enfermeira Fernanda Lopes Menini, diretora da Vigilância Epidemiológica, a maior concentração da doença ocorre nos três primeiros meses do ano, devido às chamadas chuvas de Verão.

SINTOMAS

Os principais sintomas da doença são febre repentina, que normalmente é acompanhada de dores de cabeça e musculares, além de icterícia (pele amarelada). Fernanda alerta que os sintomas da leptospirose são confundidos muitas vezes com os de uma gripe ou ainda com outras doenças. “Por isso é fundamental procurar a unidade de saúde mais próxima e informar sobre o local de trabalho e eventual contato com ratos. A doença tem cura se é detectada e tratada precocemente”, disse Fernanda.

Fernanda recomenda que se evite andar descalço em áreas atingidas por enchentes e o contato com água suja, além da inutilização de alimentos contaminados com essa água. Caso o contato com a água suja seja inevitável, é recomendado o uso de botas com cano longo e luvas.

Também é importante não beber a água contaminada nem levar a mão molhada à boca ou aos olhos. Com isso, evita-se que a bactéria penetre em lesões, mesmo que imperceptíveis, existentes na pele ou nas mucosas. Isso porque o agente infeccioso é eliminado com a urina do rato, que se mistura à água do rio e se dissemina com facilidade.

No dia a dia, é importante adotar medidas para evitar a presença de roedores em casa, mantendo os alimentos guardados em recipientes bem fechados e à prova de roedores (latas de vidro, alumínio), manter a cozinha limpa sem restos de alimentos, retirar as sobras de comida ou ração de animais domésticos antes do anoitecer e manter limpos os vasilhames.

Também é fundamental manter a limpeza dos terrenos e as margens de córregos limpos e capinados e não jogar lixo nestes locais, evitar entulhos e acúmulo de objetos nos quintais, como telhas, madeiras e materiais de construção, pois servirão de abrigo ao roedor.

Deixe um comentário