UM ANO NOVO E NÓS MAIS VELHOS!

Dentro de poucas horas estaremos vivendo um novo ano. Uma fração de segundos, quando os ponteiros e dígitos cruzarem a meia-noite, será o bastante para o relógio e o calendário nos lançarem num novo ano: 2015! Amanhã cedo, ou já nos primeiros minutos da madrugada, estaremos tratando o 2014 como o “ano passado”. E estaremos nos cumprimentando, nos abraçando, nos brindando porque estaremos no ano de 2015!

É apenas um novo dia. Afinal, amanhã, dia primeiro, será apenas e simplesmente a continuação da história de hoje, dia 31. E 5ª feira será uma 5ª feira como todas as outras, talvez com mais dor de cabeça, enjôo de estômago e fígado estourado por uma ressaca monumental.

Mas, a diferença desta noite é que, à medida em que as últimas horas vão passando, uma confusão de sentimentos vai invadindo a gente: esperança, medo, confiança, dúvidas, certezas, incertezas. Todos se perguntando: “o que vai ser de 2015? O que este novo ano nos reserva.?”

É apenas um dia. É apenas questão de arrancar mais uma folhinha do calendário. No entanto, o fato é que todos estaremos dando um passo no escuro (em todos os sentidos) e no desconhecido, quando chegar a meia-noite. E todos os votos e brindes não vão clarear  muito o quebra-cabeças.

Por isso mesmo, seria inútil a gente querer se embalar com o falso consolo de que tudo vai ser melhor… Poderemos apenas apostar e torcer em melhores tempos, mas não cair na ilusão de que a história pessoal ou social se constrói pelo poder da mágica e do acaso, ou do milagre. A história de cada um e a história do povo se faz com suor e lágrimas para depois colher os feixes entre alegria e entusiasmo.

Esta noite é a noite de agradecer. A gradecer pelo milagre de estarmos vivos; pelos problemas que temos, que nos dão a alegria de resolvê-los;  dar graças por tudo o que os olhos não vêem e que os ouvidos não ouvem; pelos caminhos por onde passamos; por tudo o que tocamos. Dar graças a Deus pelos filhos e pelos pais, pelos irmãos e pelos amigos; dar graças até pelos inimigos que nos abrem as portas para nos humilharmos e nos tornarmos dignos do coração que pulsa em nós; pelas lágrimas que derramamos que purificam a alma que temos.

E esta noite é também noite da bênção. De abençoar e ser abençoados. Não é sem razão que a Liturgia do novo ano começa com a leitura do Livro de Números que contém a fórmula de bênção com que o Povo de Deus no Antigo Testamento começava cada novo ano, cada semana e cada mês: “O Senhor te abençoe e te guarde. O Senhor faça brilhar sobre ti a sua face e te seja agradável. O Senhor dirija para ti o seu rosto e te dê a paz.”

 Seria, quem sabe, a melhor forma de desejar um Feliz Ano Novo! Deixemos que o “Novo” ocorra em nossa vida, zerando nossos débitos de amor, e acatemos a proposta de Jesus a Nicodemos: “é preciso nascer de novo!”Que não só o ano do calendário seja novo, mas nós sejamos novos e renovados nele. (inspirado em Cecílio Elias Neto)

Pe. Otto Dana – Vigário Paroquial da Igreja Sant´Ana em Rio Claro –SP

Deixe um comentário