55 – (Brincando com números)

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

download (8)Sem ter qualquer competência cabalística e ao mesmo tempo desconstruindo conceitos próprios dela, faço parte introdutória brincando o número 55, distância por terra em quilômetros que se pretende ampliar para trazer o porto seco em Ártemis com a construção da Barragem de Santa Maria. Assim, isoladamente a Cabala define o CINCO como: “… número das pessoas espertas, inteligentes, brilhantes, impacientes e que adoram experimentar novas sensações. São atraentes do ponto de vista físico, e eventualmente podem se revelar fúteis pela dificuldade em assumir compromissos concretos… e tudo isso multiplicado por dois (5+5)”. Nesse ponto, talvez você até esteja se perguntando o que isso tem a ver com aquilo? Na verdade, digo que nada. É tão sem nexo quanto essa idiotice de agressão ambiental a qual se propõe com a construção dessa barragem. Nada, nem mesmo essa malfadada intenção de progresso contemporâneo justifica destruir todo o ‘ecossistema Tanquã’ – pantanal paulista, para beneficiar meia dúzia de gaviões empresários, que por certo haverão de depredar tucanos, tuiuiús, maritacas, araras, paturis, garças, jaguatiricas e toda uma gama de espécies aquáticas, além de assentados e tradicionais pescadores, que terão direitos de posse e toda uma história familiar, abduzidas. E tudo por quê? Para trazer o comodismo mais pra perto. Mais uma vez e de novo (desculpe o pleonasmo): “Não seria mais fácil, menos oneroso e de muito menos impacto ambiental duplicar a rodovia e construir uma ferrovia até Santa Maria”? Aqui, o que se vê, é o poder pelo poder, nem que para isso vidas tenham que ter suas histórias rompidas, truncadas, para satisfação de meia dúzia de interesses. Façamos ecoar um ‘GRRAAANNNDE NÃO’ contra essa destruição em nome do falso progresso, pois somos e seremos muito mais felizes se ao invés de destruir, a gente se capacite a recuperar tudo aquilo que foi e continua a ser devastado por mãos sem escrúpulos.

Deixe um comentário