A grande viagem

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Viver é a grande viagem, o supremo e fascinante mistério. De indagações é feita nossa passagem pelo planeta azul. Neste solo gentil depositamos tantas lutas, sonhos e ideais. Eles valem toda a nossa existência.

As inquietações pulsam em nossas veias e é preciso estar atento para não perder o principal. Há questões candentes nos esperando todos os dias, problemas para resolver e consultas médicas que não podem ser adiadas.

As belezas inesperadas a cada milha, os silêncios eloquentes e as algaravias incompreensíveis são parte do sonho. Mesmo nas inevitáveis tribulações, há momentos de reflexão para ajudar no entendimento.

Na dor, aprende-se. Preciosa aprendizagem dos sentidos. No luto, no sofrimento, na tristeza, quanto se aprende. A vida nos oferece a sublime lição da humildade, da pequenez que nos cabe, com a certeza de que somos mera poeira habitando o universo.

Tudo que tocamos existe e não é simples miragem. Gosto das frases do tipo “as coisas existem porque as vemos”. No entanto, existem por si mesmas e uma porta é uma porta, assim como uma rosa é uma rosa, é uma rosa.

A geladeira, o fogão, os mantimentos guardados no armário da cozinha brilham de forma admirável para nós. Não sabemos agradecer a água da pia, do tanque, do chuveiro e ela é uma bênção diária. O sol que nos acompanha nesta grande viagem ultrapassa todo conceito de luz e de calor que conhecemos.

Importa saber o valor de cada coisa à nossa disposição e, nessa escala hierárquica, eleger prioridades vitais. Hoje, a questão da escassez hídrica nos leva a uma consciência nova, a uma importante mudança de hábitos. Nossa grande viagem não teria sentido sem este aprendizado.

Aprendemos a economizar, a usar de forma criteriosa um bem que é nos é precioso, caro. Aprendemos a reciclar, a consertar o que se quebrou, a aproveitar o que ainda tem utilidade e que pode ser crucial num momento difícil da grande viagem. Aprendemos que não é preciso consumir com exagero, acumular, armazenar em excesso, e passamos a ser seletivos, críticos, objetivos.

Na busca de um equilíbrio saudável, procuramos a essência e não a aparência. Estamos atrás de uma verdade que nos convença de que ser feliz é estar em paz, com os deveres em dia e com as relações de amor e de amizade sempre fortalecidas e gratificadas.

Não há nada mais belo do que a paz de espírito e esta é fundamental para a grande viagem. Será sem proveito a aventura de quem viaja sem paz na alma. Não terá tempo de ver a rosa branca desabrochar; não poderá comer com gosto uma comida saborosa; não saberá fazer uma prece de agradecimento a Deus e não conhecerá o amor.

Que esta grande viagem nos traga a beleza. Na hora da graça. Com a luminosa convicção de que a vida é a Lei. Há um caminho reto que faz tudo perfeito e harmonioso. Quebre-se esta regra universal e instala-se o caos perverso.

Uma boa viagem para todos nós. Que a partida seja suave e a chegada ao porto seguro supere tudo o que vimos pelo caminho.

Deixe um comentário