Ainda Meio Ambiente e Sedema

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

images (1)Tendo lido resposta do Ilmo Sr Secretário Municipal de Meio Ambiente a uma carta crítica do Sr. Antonio Carlos (Totó) Danelon, em carta publicada no Jornal de Piracicaba, há poucas semanas, consigo inferir várias assertivas. Concordo com o Sr Secretário: realmente Antonio Carlos Danelon é pessoa muito conceituada e respeitável. Uma das mais importantes e mais lúcidas mentalidades piracicabanas; cidadão atuante e corajoso, portador de valores e de ética bem definidos. Discordo de que seja ele um pessimista; também não é otimista. É realista. A realidade é que é feia…

Não existem apenas por culpa do poder público as mudanças climáticas, é verdade, mas da população de modo geral, que não consegue saber exatamente que tipo de desenvolvimento nos é favorável e elege, em todas as esferas, governantes e administradores que se portam como grandes predadores ambientais, direta e indiretamente, e ainda os incentiva.

Por outro lado, ninguém ignora que as cidades sejam grandes ilhas de calor, de secura, com asfaltos, fumaças e cimentos, com loteamentos sem fim, com as estripulias de companhias de energia elétrica, com aumento cada vez maior, exponencial, da área urbana. Tudo que se faz começa com cortes árvores. Sim, e árvores demoram a crescer! Mudinhas têm futuro incerto. Mesmo árvores adultas são arrancadas nas tempestades às dezenas, perseguidas por serem de tais ou quais espécies, por levantarem calçadas e são chamadas de “locais para ladrões”. Ao olhar, no Google, “árvores de Piracicaba”, ficará o senhor sabendo de muitas denúncias de cortes de árvores adultas para os quais não temos explicações.

Assisti também ao possível envenenamento e mortes de, ao menos duas grandes seringueiras desta cidade. Na rotatória do Santa Rosa, dezenas de árvores, plantadas pelos próprios moradores, foram cortadas num zás traz por ocasião de obras no local. No bairro São Miguel, bem atrás do prédio da prefeitura, em surdina de um feriado, diversas árvores saudáveis foram cortadas uma atrás da outra, com assustadora eficiência. Instado sobre que árvores seriam cortadas afinal, o encarregado nos avisou que todas aquelas que “fossem tortas”. Eram chorões (Salix babilônica)… Aliás, só não foram todas arrasadas, porque moradores interferiram.

Então, Ilmo Sr Secretário, os parques que citou terem sido implantados não são favor à cidade; de fato, são obrigação de quem está nesse cargo. E mais, não chegam a nada muito importante ante a somatória de prejuízos ambientais sempre crescentes em Piracicaba. É o mesmo que apenas tratar-se com dipirona um doente de pneumonia grave.

Não discuto que isso possa até ser grande esforço para a Sedema, mas longe de produzir efeitos positivos significativos. Será necessário muito maior esforço ainda. Antonio Carlos Danelon, especialista “em trabalhos em rede” para obtenção de resultados significativos, poderá até mesmo dar algumas diretrizes sobre essa interessante técnica que ele tão bem conhece e aplicou no serviço público.

1 comentário

  1. Antonio Carlos Danelon em 07/10/2013 às 11:21

    Obrigado, Eloah. Receber apoio é muito bom, o seu melhor ainda. Penso que a Secretaria do Meio Ambiente é mais importante que a da Saúde, pois enquanto esta cuida da doença, aquela cuida da vida. Uma cidade que não cuida da vida, não faz o dever de casa. Adianta ficar jogando a culpa nos governos federal e estadual por falta de verbas para a saúde numa cidade que aposta na doença?

Deixe um comentário