Carnaval e Colombinas

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

colombina (1)Estamos iniciando um novo ano e as expectativas sobre o mesmo são de muita luta e labor e vemos que o mercado de capitais anda nervoso com o dólar em alta e uma perspectiva de manutenção e/ou aumento da taxa de juros, apesar da inflação alta e do baixo crescimento do país.

Observando o horizonte vemos que o preço da gasolina tem despencado a nível mundial e o Brasil, em oposição a esse movimento, tem aumentado o preço da gasolina e do álcool.

A inflação alta com crescimento baixo sugere um remédio muito amargo denominado estagflação, o qual define-se como uma situação típica de recessão, ou seja, diminuição das atividades econômicas e aumento dos índices de desemprego. Além da inflação e da falta de instrumentos institucionais que regulem a economia, que pelo método científico-econométrico retirem-na da chamada “estagnação” ou “armadilha da liquidez” após um “merecido ciclo de virtuoso-crescimento-econômico, que toda Economia ou País-viável, merece”, de conformidade com a doutrina de Keynes (é o que caracteriza esse conceito, basicamente, nos meios acadêmicos).

Estamos caminhando seguindo aquele ditado “se correr o bicho pega e se ficar o bicho come” e o momento atual gera muita especulação e risco no mercado de trabalho e na vida de todos os brasileiros.

Aparentemente o mercado anda nervoso porque não consegue detectar sinais de melhora na economia, mesmo sendo trocado o ministro da fazenda e com algumas falas da presidente dizendo que errou.

Os escândalos da Lava Jato continuam sendo apurados e temos muita tensão sobre o pedido de impeachment do presidente do Brasil e do Congresso que estão esperando a volta dos mesmos aos seus respectivos locais.

Por isso temos uma tempestade econômica se avizinhando e nada nos diz que a recuperação se dará no curto e médio prazo.

O que demonstra a falta de competência da presidente e seus auxiliares para a tomada das decisões econômicas e ainda por cima os criativos querem retornar com a “CPMF” para que continuemos pagando a conta dos erros cometidos no passado e os que ainda irão cometer.

Precisamos de um ministério efetivamente competente e uma liderança forte nos conduzindo nesse momento delicado e não parece que conseguiremos ambos ou nenhum deles.

Nosso país descendo a ladeira e verificamos que os líderes políticos não sabem o que    fazer e se sabem fazem de maneira errada. Precisamos nos pautar em líderes empresariais, sociais e com competências em administração.

Para sair da crise e suplantar esses políticos demagogos Administração é a palavra da vez no nosso Brasil brasileiro…

 

 

Deixe um comentário