Chupeta de mão

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

download (11)Com a chegada da tecnologia digital em nossas vidas, novas facilidades e problemas agregados passam a modificar o programa social e de relacionamento humano onde quer que esteja. Com as áreas de sombra (sem sinal), minimizadas, as ondas digitais rasgam o espaço sem visibilidades, deixando clara, apenas as ações entre o ‘ser’ (humano) e equipo digital. Isolados ou em rodas de bares e restaurantes, passou rotina, notar verdadeiros e individualizados androides, que no teclar constante da troca de textos e imagens, vivem num mundo paralelo, num mundo virtual. A coisa chegou a tal ponto, que várias disciplinas estão promovendo estudos de sociologia, antropologia e medicina entre outras, na intenção de aferir prós e contras dessa exposição prolongada, de isolamento e radiações, no comportamento intelectual e da saúde humana. Nisso tudo, o que mais me impressiona é a mais nova usualidade dado aos brinquedinhos digitais, iPhone’s de última geração, postados nas mãos de bebês, como verdadeiras chupetas, na intenção de entreter os ‘pequerruchos’, ao sossego das conversas entre os pais e amigos em reuniões e restaurantes. E tudo por quê? Na desculpa da ausência de paciência e de tempo, muitos pais, simplesmente transferem ao berçário, o papel de educar os próprios filhos. Nesse ponto vale questionar: o que é pior? A velha e tradicional chupeta levada à boca ou os novos brinquedinhos digitais, que ao simples efeito de pular etapas, carregando a exposição do mundo adulto para precoce idade, possa num futuro não muito distante, fazer com que repensemos as reais desvantagens dessa, quebra cronológica do aprendizado de um cérebro em formação. A continuar assim, logo, logo, vai ter gente matriculando ‘pequerruchos’ com dois anos ou quem sabe menos, no primeiro ano do ensino fundamental. Aí que saudade da minha infância?

Deixe um comentário