Comportamentos inadequados

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

ina

Do jeito que a Câmara Municipal quer, capaz que acabe por fazer suas sessões dentro do cemitério. Mesmo porque somente morto consegue assistir as reuniões camarárias sem se indignar. Como todo mundo sabe, nossa Casa de Leis comemorou os 50 anos do golpe militar, que instaurou a ditadura no Brasil, com seu “Ato da Mesa nº 1”, que visa regular supostos “comportamentos inadequados” por parte da sociedade civil dentro de plenário, o conhecido “projeto mordaça”.

Não pode ficar em pé, usar nariz de palhaço, bermuda, boné, chapéu ou fantasias. Faixas, cartazes, sarcasmo, palmas, palavrões, serpentinas, voz alta nem pensar; captar imagens via celular, câmeras e filmadora também não. Só pode ficar sentado. Mexer os olhos, as mãos, rir, cochichar podem trazer problemas. Cidadão que quiser frequentar as sessões e tiver um pouco de sangue cívico nas veias, sugiro mandar foto tamanho natural, sentado é claro. É mais seguro.

Como cidadão que também contribui para o sustento daquela Casa, pergunto se comportamentos abaixo relatados são adequados:

– Aumentar o próprio salário em 66% mais correção de 5,44%.

– Blindar e não fiscalizar a administração; aprovar – mesmo contra a própria consciência – todas as suas demandas e contas porque não se deve “cuspir no prato em que se come” e nem contrariar projeto político-partidário voltado ao grande capital e à perpetuação no poder.

– Chamar manifestantes de “pessoas sem moral, baderneiros e arruaceiros” e colocar a polícia para recebê-los. Perseguir desafetos, expulsar do plenário quem ficou sentado durante leitura bíblica e usar advogados da Câmara para defesa própria.

– Aprovar a Lei do Orçamento, LDO, Plano Plurianual, etc. sem qualquer debate e derrubar todas as emendas apresentadas pela oposição.

– Não declarar a origem de todos os recursos e o custo real das campanhas.

-Achar que vereança é profissão. Aferrar-se ao cargo por 20, 30 anos cerceando mentalidades mais evoluídas e comprometendo a credibilidade do Parlamento.

– Pedir lombadas, poda de árvores, tapa-buracos e transformar gabinete em plantão de benemerência para ganhar votos.

– Servir-se da medicina, do sindicalismo e etc. para chegar e se manter no poder, e, apesar de não fazer bem uma coisa e nem outra, receber dois ou mais salários.

– Pagar R$ 83 mil por veículo que tem a mesma serventia de um de R$ 50.

– Servir-se de pessoas e organizações benemerentes para ganhar notoriedade oferecendo-lhes moções de aplausos.

– Exonerar à revelia funcionário de confiança de colega por ter questionado publicamente atitudes contraditórias de vereadores e fazer lei para punir entidades filantrópicas que criticarem o poder público.

– Lotar o plenário de funcionários, assessores a apaniguados para evitar participação popular em votações polêmicas.

Se esses comportamentos são adequados por que usar nariz de palhaço, portar cartazes de protesto, bater palmas e desaprovar atitudes indevidas de pessoas públicas nãos são?

Já que os senhores vereadores gostam de se insinuar tementes a Deus lendo trechos da Bíblia em todas as sessões sugiro-lhes este: “Hipócrita, tire primeiro a trave do seu próprio olho, e então você enxergará bem para tirar o cisco do olho do seu irmão”. (Mt. 7, 5).

 

Deixe um comentário