ContraPonto: Cartas marcadas, jogo marcado

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Colocar o ex-governador de Minas, senador Anastasia, cria política de Aécio, como relator do processo de impeachment no Senado é como tomar algum fanático torcedor de um clube brasileiro de futebol como árbitro de um jogo de final da Libertadores contra time argentino. O golpe é iminente e as velhas e viciadas oligarquias parece que voltarão; e da forma mais desavergonhada e vil. Quem nos governará? A angústia do povo brasileiro diminuirá?

Segundo o site www.brasil247.com, rápido exame da lista de parlamentares que votaram a favor do impeachment na Câmara e dos que vão votar a favor no Senado, e que fazem parte, portanto, da base aliada que vai apoiar o governo Temer – se houver governo Temer – é estarrecedora. A quantidade de deputados e senadores investigados tanto no STF quanto na Lava Jato é digno de capítulo à parte na série de TV Americana do Netflix . É, sem dúvida alguma, a base aliada mais ficha suja desde a criação da Lei da Ficha Limpa, e quiçá da história de nosso País:

  • Investigados na Lava Jato são 58 deputados federais:47 do PP, 8 do PMDB, 1 do PSC, 1 do PTB e 1 do PTC – e nove senadores – 4 do PMDB, três do PP, 1 do PTB e 1 do PSB;
  • A lista dos que respondem a inquéritos e ações penais no STF é muito maior: 145 deputados federais e 25 senadores;
  • O partido com mais senadores investigados é o PMDB, com 10. Em segundo lugar, empatados, com quatro, PSDB e PR. O PTB tem 2 e PSC, PP, DEM e PSD tem 1 cada;
  • O campeão de deputados federais pendurados no STF também é o PMDB, com 50. Em segundo lugar, o PP, com 16. Em terceiro lugar, empatados, com 15, o PSDB e o PR. O PSD, apesar de ser um partido novíssimo, fundado por Gilberto Kassab aparece em quarto, com 11. A seguir, com 9, o DEM. Depois, com 8 estão empatados o PSB, o PSC e o PTB. O PRB tem 5, o PRP e o PMN, 2 e o PEN e SD têm 1 cada um.

O nosso não ao Abafa a Jato

Vamos denunciar sempre, em contra ponto à mídia cúmplice do golpe e cuja eficiente lavagem cerebral na opinião pública foi um sucesso. Todos os líderes desses partidos costumavam e ainda costumam fazer os discursos mais contundentes a favor da moralização e da ética na política, responsabilizando o PT pela corrupção que predomina na política brasileira e disseram “sim” a favor do impeachment.

  • O atual presidente do PMDB e um dos principais articuladores do suposto governo Temer, senador Romero Jucá, já estava bem enrolado quando a ministra Carmen Lúcia abriu investigação contra ele e contra o presidente do Senado, Renan Calheiros, acusados, com fortes indícios de receberem, cada um, a quantia de 15 milhões de reais para aprovar emendas provisórias de interesse da indústria automobilística.
  • Ex-presidente do PMDB, o senador Valdir Raupp é réu em quatro ações penais. É também  acusado de ter alterado por conta própria o destino de recursos de um convênio de US$167 milhões assinado com o Banco Mundial entre 1997 e 98.
  • Cássio Cunha Lima (PSDB), um dos buldogues mais agressivos contra Dilma é ex-governador da Paraíba, condenado e cassado em 2009 por distribuir 35 mil cheques a eleitores na campanha de 2006. Responde também por crimes da Lei de Licitações;
  • Ex-presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB) responde a seis ações penais, e é suspeito de integrar quadrilha que desviou mais de R$1 bilhão do Banco do Estado do Pará, da Sudam e do Ministério da Reforma Agrária.
  • Eduardo Constantino Cunha – Dispensa comentários. Teve, para alegria geral da Nação, seu afastamento determinado pelo STF na manhã de ontem. Vamos ficar na marcação de Moro e do STF;
  • Integrante da lista dos mais procurados pela Interpol, impedido, sob risco de ser preso, de entrar em vários países, inclusive Estados Unidos, o deputado Paulo Maluf. Dispensa comentários.
  • Líder do PSC e desabrido componente da tropa de choque de Eduardo Cunha, o novato André Moura, um dos mais ácidos críticos da presidente Dilma, responde aos inquéritos por crimes eleitorais),crimes de responsabilidade e formação de quadrilha.
  • O deputado Beto Mansur (PP-SP), que muitas vezes substitui Cunha na presidência da Câmara, responde ações penais na qual é acusado de ter submetido 46 trabalhadores, inclusive 7 crianças a trabalho análogo à condição de escravo em duas fazendas de Goiás. Crime de lesa-humanidade
  • O pastor Marco Feliciano é réu na ação penal 612 por estelionato. Também está enquadrado no inquérito 3590 no qual é suspeito de induzir ou incitar discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia e religião.
  • O deputado Paulinho da Força, presidente do Solidariedade e defensor resoluto de Eduardo Cunha tem contra si a ação penal 421, por estelionato, crimes contra a fé pública e concussão. Em delação premiada, Ricardo Pessoa, dono da UTC, afirmou que doou R$ 1,6 milhão para o deputado Paulinho da Força e seu partido, o Solidariedade, entre 2010 e 2015, para esvaziar movimentos sindicais e evitar greves. Paulinho, que tenta impedir o processo de cassação de Cunha, é um dos principais articuladores do golpe contra Dilma no Congresso.

O time de Temer poderá ainda contar com José Serra (PSDB)-  inesquecível, embora absolvido, escândalo das ambulâncias (Operação Sanguessuga, lembram-se?) e que parece trabalhar para que o petróleo brasileiro  mude de mãos; e mais Aécio Neves Cunha (PSDB)! (Este, ao que parece, a partir dos  bastidores, porque não se sabe se terá vergonha na cara de aparecer no novo governo não eleito e ainda com mais uma denúncia de propinas levadas ao STF na última quarta-feira). Há também o Listão da Odebrecht silenciada por Sérgio Moro: são quase 230 deputados. Simplesmente trágico assim.

Homenagem de hoje: Ao colunista José Simão que publicou a definição do PSDB: ”O PSDB é um partido mágico: some com a merenda, some com escola, some com água, some com helicóptero, some com processos, some com inquéritos, some das manchetes de corrupção”.

Frase de hoje: “Andorinha não anda com urubu”.

Questionamento filosófico: “Ué! Cadê os coxinhas reclamando contra a corrupção? Será que se transformaram em escondidinhos de pato desfiado? Ou simplesmente trouxinhas?”.

Desabafo: Fora Waldir Maranhão!! (aliado de cunha e citadíssimo na Lava Jato,  possível futuro vice de Temer).

 

 

 

1 comentário

  1. Tainá em 10/05/2016 às 10:34

    Nossa! Estamos “a pé” 🙁

Deixe um comentário