Desmatamento na Avenida Independência

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Foto: Antonio Claudio Sturion Junior

Foto: Antonio Claudio Sturion Junior

A Prefeitura de Piracicaba realizou o corte de 20 árvores existentes na Avenida Independência, apenas em seu trecho que passa ao lado do Cemitério da Saudade e do Estádio Municipal Barão de Serra Negra, um trecho de apenas cerca de 200m. Segundo reportagens na imprensa local, eram todas sibirunas, árvores que não possuem muita admiração por parte de boa parte da população, devido aos “problemas” (??) provocados pelas suas folhas, flores e raízes. No lugar delas, a Prefeitura diz que serão plantados ipês (talvez as árvores que exercem maior fascínio, maior admiração das pessoas), dando uma falsa sensação de melhoria do local.

O corte ocorreu na semana passada chamando a atenção de todos que passavam no local. E provocando a revolta de muitos, que aproveitavam o trânsito lento e tiravam fotos com seus celulares. Em poucos minutos, as fotos foram sendo compartilhadas e “invadiram” as redes sociais. A página “O rio é nosso e agora nós vamos defendê-lo” compartilhou uma matéria do site G1 sobre o assunto e em poucas horas esse compartilhamento foi visualizado por mais de 6000 pessoas, e teve mais de 50 compartilhamentos de pessoas que queriam expressar a sua indignação em seus perfis no Facebook.

O Instituto AIMARA esteve no local na manhã de sexta-feira no local. A primeira constatação é que não foram cortadas apenas sibipirunas. Foram cortados, também um falmboyant e ipê, mas esse não foi o único problema constatado, nem o maior deles.  Não eram todas as árvores que estavam ocas e com cupins, constatamos “problemas” em apenas 10 das 20 árvores analisadas. As fotos a seguir mostram que este Flamboyant (Delonix regia) estava, pelo menos aparentemente, extremamente saudável.

Foto: Antonio Claudio Sturion Junior

Foto: Antonio Claudio Sturion Junior

Essas fotos são dos galhos, e como podemos observar não existe nenhum sintoma de podridão, ataque de cupins, de outras pragas e de doenças. Evidentemente, devemos levar em consideração que um dos maiores problemas é o ataque de cupim subterrâneo, que começa a destruir a árvore de baixo para cima. Por sorte, encontramos uma Sibipiruna cortada bem rente ao solo, mostrada na foto a seguir, e que também não possui indícios de “problemas”. O problema nesse caso foi a proximidade com o poste.

Algumas árvores, como foi dito anteriormente, apresentavam pedaços ocos em seus troncos, como mostra a foto a seguir. Algumas apresentavam problemas menores, pouquíssimas apresentavam problemas considerados mais “sérios”. Observe a foto a seguir. Embora atacada por cupim, será que seria realmente necessário matá-la para prevenir uma possível futura queda? Devemos lembrar que recentemente uma chuva forte derrubou um pedaço do muro do cemitério e essas árvores continuaram de pé (assim como o “Chichá do São Dimas”, que recentemente foi condenado à morte e que continua de pé).

1 comentário

  1. Eloah Margoni em 08/06/2014 às 23:04

    Ótimo texto, Cláudio! Você nosso companheiro da SODEMAP, tb esteve no local para ver o fotografar tanta tristeza e falta de bom senso.

    Piracicaba, não aprende, a SEDEMA não se acanh, e o MP parece não intimida ninguém. Meus pêsames, Piracicaba!!

Deixe um comentário