Dia dos Pais

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

   images           Se não fosse por interesse comercial, acho que essa pessoa dificilmente seria lembrada e homenageada. Em muitas casas ele não passa de provedor. Embora haja pais maravilhosos, de modo geral, não foi para a paternidade que a maioria dos homens foi educada.

             Quando criança se chegasse chorando da rua, apanhava de novo pra deixar de ser bundão – se bem que hoje pais pagam o mico de buscar satisfações. Enfiaram-lhe na cabeça que sentir e expressar emoções é coisa de gay. Deve, portanto, esconder sentimentos. Precisa competir e vencer profissionalmente. Mais importante que ser feliz, é ter sucesso. Amarelar nunca; sempre tomar a iniciativa e não perder oportunidades. Não levar desaforo para casa, proteger a família, esconder o medo, enfrentar os perigos e muitas vezes perder a vida por nada.

            Desde pequeno recebe um excesso de mensagens para a masculinidade, tal o horror que se tem da homossexualidade. Pratica ou é induzido a praticar atividades que demandam força bruta para que fique evidente sua virilidade. É forçado a reprimir seu lado sensível e criativo. Seu jeito de falar, de andar, de dançar e até seus gestos são fiscalizados. Com isso perde toda a espontaneidade.

            E a impotência? Esse é o grande pavor da maioria. Talvez por isso seja o Viagra um dos remédios mais vendidos. De intimidade pouco entendem porque minaram sua capacidade afetiva. Para muitos o sexo é uma forma de posse e autoafirmação. A preocupação excessiva com o desempenho pode acabar em ejaculação precoce.

            Amizade feminina nem pensar, menos ainda se forem casados. Sexualmente fraco, o homem precisa ser herói para resistir aos assédios de mulheres à cata de bom patrimônio ou de quem materialize suas fantasias. Programado desde cedo a desempenhar papel de galanteador, torna-se presa de ciladas que o forçam a assumir compromissos para os quais não está preparado; isso quando não busca na parceira o colo que perdeu ou nunca teve.

            Não se questiona a obrigação de o pai prover o sustento da família.  Ele tem que enfrentar os piores serviços, os mais pesados e insalubres; arriscar-se nas estradas e ganhar, não raro, salários injustos. Nem sempre lhe é oferecida chance de aprender a fazer o que gosta ou lhe dê prazer.  Precisa trabalhar e acabou. Se for dispensado é braço curto e se a mulher ganhar mais é tido como incompetente ou acomodado. Se fica viúvo perde o rumo. Porém, em geral morre antes, deixando a mulher livre para se repaginar e somar a pensão que deixou.

            Apesar de avanços, o homem foi e continua sendo erroneamente educado – a mulher nisso tem também responsabilidade, já que desde o berço escolhe, delimita e inculca papéis femininos e masculinos; e o topete de seu machinho lhe é motivo de orgulho. Na verdade, criam seres limitados, dependentes e incapazes de exprimir o que são. Alguns encontram no álcool e outras drogas recursos para quebrar a caixa ou botar fora sentimentos entalados. Dada sua dificuldade em demonstrar ternura, barreiras são erguidas comprometendo a saúde emocional e afetiva dos filhos já que a figura paterna é indispensável e insubstituível.

            Felizmente cresce o número de homens que está conseguido cuidar melhor de si e romper as algemas. Porém, muitos ainda amargarão uma velhice solitária, ouvindo dos filhos a desculpa: “Ele está sozinho porque nunca nos deu carinho e afeto”.

Deixe um comentário