Em alta, comércio exterior tem projeções otimistas para 2017

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

comercio exA Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB) prevê aumento de 7,2% nas exportações em 2017 em relação a 2016, chegando a US$ 197,4 bilhões. Para as importações, a previsão é de crescimento de 5,2%, resultando em US$ 145,7 bilhões. A soja é o principal item da pauta de exportação. Os insumos industriais, por outro lado, deverão liderar as importações.

 

As projeções podem sofrer interferências de diversos fatores. Mas, as perspectivas são animadoras. O Brasil acaba de assinar um Acordo de Facilitação de Comércio que permitirá uma redução de 40% nos prazos médios de exportação e importação, com impactos positivos sobre a competitividade das mercadorias e sobre o PIB, com a OMC (Organização Mundial do Comércio). Até o fim de 2017, o Portal Único de Comércio Exterior vai desburocratizar os processos de importação, exportação e trânsito aduaneiro, o que deve aumentar a sua participação nos Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul).

 

Os Acordos de Cooperação e Facilitação de Investimentos que já foram assinados com Moçambique, Angola, México, Maláui, Colômbia, Chile e Peru, e que estão com negociações concluídas com Índia e Jordânia, devem incrementar ainda mais esses números. Uma pequena oscilação na confiança se deu com a eleição de Donald Trump, nos Estados Unidos. Mas, o Brasil não é tão dependente das exportações para aquele país e as negociações devem continuar sendo feitas sem prejuízo.

Deixe um comentário