Fala sério

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

COISA FEIA

Não adianta ter dinheiro se você não tiver bom gosto. A escultura de um pintado construído em concreto na entrada da cidade (SP-304) é uma das coisas mais feias e ridículas que já vi. Quem vem de outras paragens se depara com este monstrengo em forma de peixe que dá as boas vindas para quem vem à cidade. Pena que a Prefeitura investiu R$ 90 mil e não dá para derrubar.

COISA FEIA II

O projeto do pintado é do atual vice-prefeito e arquiteto João Chaddad. As cidades têm que ter projetos urbanísticos e suas esculturas e monumentos integrados a sua paisagem para que não as agrida. Piracicaba têm muitas belezas naturais que a fazem uma cidade diferenciada, mas o homem está estragando suas belezas incorporando esculturas, pontes, viadutos e mirantes que interferem de uma forma desumana em seu paisagismo.

MONUMENTO

O maior e mais belo monumento que a cidade tem é o seu rio, a Rua do Porto, sua colinas e seus dois parques. O nome da cidade já faz homenagens aos seus peixes, à cidade não merece esta e outras obras.

SUPRESA NA EXECUTIVA

A executiva provisória do PMDB de Piracicaba já está definida e a escalação está assim: Presidente, Rogério Vidal, Vice, vereador Gilmar Rotta, membros, senador italiano, Fausto Longo; advogado Fabiano Vidal e para surpresa de todos o empresário da comunicação Lourenço Jorge Tayar. Para Tayar estar nesta composição só pode ter um motivo, ser vice-prefeito na chapa de Barjas Negri do PSDB. Tudo pode acontecer!

BARULHO NA CASA DOS OUTROS

O barulho infernal provocado por festas e eventos não só no espaço do Engenho Central como também pelo Clube Cristóvão Colombo na região do Piracicamirim é um desrespeito total ao cidadão. Na verdade a Prefeitura para quem cabe fiscalizar fecha os olhos para o problema. Não concordo com a posição da Secretaria de Cultura, Rosangela Camolesi que quis amenizar não dizendo nada com nada sobre o som sem limites depois das 22 horas. Na verdade o respeito à cidadania começa no município, caso contrário fechando os olhos para os “pequenos” desrespeitos a lei é que surgem os grandes desmandos que estamos assistindo.  E tem mais, hoje existem formas de se reduzir o som mesmo em espaços abertos.

DÁ PARA DESPOLUIR O PIRACICABA?

Claro que sim. É preciso ter vontade politica e é exatamente isso que falta para os nossos políticos. Vamos para alguns exemplos no mundo:

Paris já foi banhada por um rio em estado lastimável, mas isso na década de 20 do século passado. A partir de 1960 os franceses, incomodados com a situação, passaram a exigir de seus governantes estações de tratamento de esgoto, e a meta é que este ano o Sena esteja 100% despoluído. Há um incentivo em dinheiro para os agricultores que vivem às margens não sujarem as águas.

Rio Tâmisa, em Londres, também não era motivo de orgulho para os londrinos no século XIX , mas este problema parece já estar longe de preocupá-los. Há duas mega estações de tratamento de esgoto e dois barcos percorrem o rio diariamente retirando toneladas de lixo por dia. Em Lisboa, foram investidos 800 milhões de euros para a revitalização do Tejo, o maior rio da Europa Ocidental. Em 2000 foi criada a Reserva Nacional do Estuário do Tejo que, junto a outras iniciativas, contribuem para manter o rio limpo. Hoje tem até golfinhos nadando em suas águas.

Em Seul, na Coreia do Sul, o que salvou o rio de pouco mais de 5 quilômetros que grande viaduto, um projeto de nova política de transporte público e a ampliação de parques verdes. Foram apenas quatro anos para revitalizar completamente o Rio Cheonggyecheon.
Às margens do Rio Reno, que tem 1,3 mil quilômetros e banha seis países europeus, durante muitos anos foram jogados dejetos industriais, o que o levou a ser apelidado, na década de 70, como “a cloaca a céu aberto da Europa”. Depois de um grande vazamento de detritos em 1986 os governos resolveram se mexer e hoje 95% do esgoto  das empresas são tratados e já há 63 espécies de peixes vivendo em suas águas. Em Cleveland, nos Estados Unidos, também devido à maciça atividade industrial, aliado ao lançamento de esgoto doméstico, o rio Cuyahoga era bastante poluído. Um Ato de Água Limpa foi assinado nos anos 70, mais de 3,5 bilhões de dólares foram investidos e hoje seus 160km de extensão são lar e fonte de sustento de diversos animais.

Os canais de Copenhague, capital da Dinamarca. Já foram muito poluídos, mas quando a cidade decidiu se tornar neutra em carbono até 2025,  começou a mudar este cenário. Reconstruíram as galerias pluviais, estabeleceram reservatórios de água em pontos estratégicos da cidade para armazenar água da chuva e o encanamento de esgotos foi melhorado. O lixo passou a ser incinerado.

Quero voltar a beber água do Rio Piracicaba, como na minha infância. É possível? Sim, é possível basta elegermos políticos comprometidos com estas mudanças.

 

 

1 comentário

  1. Francisco Ferreira em 12/08/2015 às 23:50

    No caso do peixe, basta um futuro prefeito porra louca, como João Herrmann, aparecer.
    Dinamita um dia após a posse.
    No caso da ponte de concreto, que matou a visão da curva do rio a partir do Largo do Gavião (Jardim da Cadeia – altos da Pinacoteca) vai precisar de dois João.
    Mas, um dia chegará alguém com dinamite aí também.
    Parabéns pela coluna crítica.

Deixe um comentário