Fala sério!

Os textos de diferentes autores publicados nesta seção não traduzem, necessariamente, a opinião do site. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Ah, AS LUZES DO NATAL….

O Natal finalmente chegou. Sempre gostei do Natal, mas existem pessoas que se sentem deprimidas. Eu não! Confesso que adoro a data. Fico encantado ao ver árvores naturais ou artificiais enfeitadas e iluminadas, um presépio com o Menino Jesus e adereços nas portas e em lareiras. Acho tudo isso uma grande festa.

Aqui em São Paulo me realizo com as ruas e as fachadas dos prédios particulares e públicos adornadas. A Avenida Paulista fica ainda mais pulsante, com uma multidão correndo para lá e para cá, carregando presentes. À noite, vale a pena ver o jogo de luzes nas fontes do lago do Parque do Ibirapuera, a árvore gigantesca montada na Av. Pedro Álvares Cabral e a decoração no Parque Trianon. Sou capaz de pegar o carro e sair pela cidade só para ver as cores do Natal. Para mim, este talvez seja o momento mais fascinante de todo o ano. É uma data lúdica. E quando minha alma fica cheia de energia e esperança.

Mas, sentimentos contraditórios me abatem na noite do dia 24. Aqueles mesmos lugares que me fascinam, também me entristecem. Fico deprimido aos ver que as mesmas luzes que me fascinam, iluminam a pobreza de centenas de pessoas que vivem nas ruas e dormem ao relento. São adultos, crianças e velhos que vivem na mais ruidosa miséria. Sem teto, sem abrigo e sem esperança. Esse descaso social abre espaço para a violência e o uso do crack, que elimina almas e abate corpos como se fossem alvos de papel de uma guerra onde só existirão covas rasas. Na semana passada, vi uma jovem rolando no meio da Avenida Nove de Julho. Em condições normais nenhum ser humano faria isso.

Infelizmente nem todos sairão vivos deste Natal. Mas acredito que ainda dá para amenizar a miséria de muitos. Isso exige planejamento, determinação, um projeto que comece hoje e não termine no próximo ano. É duro bater na mesma e velha tecla, mas educação, solidariedade, justiça social e amor fazer, sim, a diferença.

Só votar e escolher políticos para nos representar não resolve. Temos que cobrar e exigir uma postura mais ética para que não fiquemos reclamando nas esquinas que os políticos, são isso ou aquilo. Nós também temos responsabilidades sobre esses horrores, principalmente porque perdemos o poder de nos indignarmos com a pobreza, com a violência e com nossa própria insensibilidade.

Mas, neste ano quero acreditar na mudança. Desejo acreditar que, no próximo ano, minha coluna destacará apenas as luzes do Natal e seu lado mágico.

Agora, FALA SÉRIO! da para ser feliz assim? Não, não dá, mas feliz natal a todos. E que no dia 26 possamos acordar para um novo jeito de agir e não fique apenas nas trocas de presentes, abraços ou apertos de mão.

O mundo não dá trégua, a vida continua e ela pode continuar muito melhor do que hoje e só ter esperança e lembrar o porque do natal.

 

 

Fala Sério! é publicada toda quarta-feira no jornal Tribuna Piracicaba e no site da Tribuna e de A Província. Também pode ser acessada pelo Facebook: djalma.limasp

Contatos e-mail: [email protected]/[email protected]

 

Deixe um comentário